MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 5 de dezembro de 2021    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional Soares dos Reis
N.º de Inventário:
104/ 82 Pin MNSR
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Título:
Rua de Capri
Datação:
1882 d.C.
Suporte:
Madeira
Técnica:
Óleo
Dimensões (cm):
altura: 36,5; largura: 16;
Descrição:
Trecho de uma rua em Capri, um pequeno beco que desemboca numa porta. Esta obra faz parte de um conjuntos de oito pinturas com representações de ruas e trechos de Capri que têm em comum, além do local e data de execução, a natureza e a dimensão do suporte. É aqui bem evidente o interesse do artista pela captação e registo da cor sob o efeito da incidência da luz: nos extensos panos de parede das casas que ladeiam o beco, o pintor exercita a modelação da luz e da cor, numa gama reduzida de brancos, ocres e cinzas, em pinceladas largas e espessas. As aberturas das janelas escurecidas pelas sombras conferem à composição uma dinâmica ritmada pelo efeito do claro-escuro. O elemento central é o portão verde que fecha o espaço e faz interromper a progressão das linhas que desenham o caminho e as paredes exteriores das casas laterais. A faixa estreita que limita o espaço ao fundo e tem o portão verde por base, representa um espaço de pátio coberto por ramada: aqui, a vegetação é trabalhada com uma sensibilidade mais descritiva, em linhas sinuosas traçadas com pincéis mais finos. Sendo um espaço exterior, que a natureza das construções e a incidência da luz de sol aberta indiciam, ele é quase completamente fechado: vislumbra-se uma nesga de céu azul que remata o topo da composição para cá da ramada que cobre o pátio.
Incorporação:
Outro - Pertence ao Fundo Antigo do Museu proveniente da Escola de Belas Artes do Porto (antiga Academia Portuense de Belas Artes).
Origem / Historial:
Após a morte de Henrique Pousão, em 25 Março de 1884, o seu pai, o juiz Francisco Augusto Nunes Pousão, a exercer funções em Odemira, reuniu toda a obra do artista que se encontrava dispersa entre familiares e amigos, mandou emoldurar todos os quadros que pode reunir, mais tarde foi transferido para Faro e levou consigo toda a obra que reunira. F. Fernandes Lopes escreve a esse propósito que Nunes Pousão “tinha tudo no seu escritório, cujas paredes estavam assim forradas com quadros do filho. Encontrava-se ali tudo o que fora a sua produção artística em Pintura, excepto naturalmente o que anteriormente enviara para a Academia do Porto ou teria sido vendido a raros particulares, que lhe haveriam feito encomendas, ou ainda de amigos ou pessoas de família a quem fizera ofertas…” V. em Bib. LOPES, Francisco Fernandes [1959], p. 98, 99. Após a morte do Juiz Nunes Pousão, em 2 de Agosto de 1888, em cumprimento da sua vontade, as obras foram entregues, pela viúva, à Academia Portuense de Belas Artes em cujo arquivo se guarda a relação sucinta de obras e objectos então entregues “Relação dos quadros, desenhos e mais objectos que faziam parte do espólio de Henrique Pousão.” AFBAUP , Correspondência recebida, Nº 212. Uma lista mais detalhada seria posteriormente redigida na própria Academia AFBAUP Documento avulso, sem cota, e Correspondência para o Governo, 1837-1911 [130, 21 Set. 1889, fla. 50 v]. Pertence ao Fundo Antigo do Museu: o antigo Museu Portuense, criado em 1833, passa a ser tutelado por uma Comissão de professores da Academia de Belas Artes do Porto, a partir de 1839, e as duas instituições passaram a partilhar o mesmo espaço e tutela. Em 1932 é feita a partilha do acervo existente pelas duas instituições, o Museu Soares dos Reis (antigo Museu Portuense) e Escola de Belas Artes (antiga Academia): dessa divisão foi registada uma “Relação dos objectos existentes no Museu Soares dos Reis pertencentes ao Estado”, datada de 1 de Novembro de 1932 e firmada por João Marques da Silva e por Vasco Valente, respectivamente, director da Escola de Belas Artes e do Museu Soares dos Reis. Esta obra foi depositada no Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado, autorizada por despacho superior de 27/11/1992, comunicada ao MNSR pelo Instituto Português de Museus (correspondência: Entrada 1027; Proc. 50; 24/12/1992).
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica