MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
terça-feira, 21 de setembro de 2021    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Grão Vasco
N.º de Inventário:
2388
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Título:
Hortaliceiras
Local de Execução:
Viseu
Datação:
1938 d.C.
Matéria:
Óleo
Suporte:
Tela
Dimensões (cm):
altura: 99; largura: 134;
Descrição:
Registo de costumes onde se representam duas mulheres num interior. Do lado direito, uma mulher vestindo camisola cinzenta, com lenço de tonalidades alaranjadas na cabeça, segura uma cesta cheia de nabos. Esta figura olha frontalmente o observador e é ladeada, à esquerda, por outra mulher de idade mais avançada que veste longa saia xadrez, avental e camisa cinzenta, ostentando um lenço vermelho na cabeça e argolas douradas nas orelhas. Esta mulher compõe os vários repolhos de couve sobre a mesa. Por trás desta, vislumbra-se um pote de barro que se encontra parcialmente representado. Num plano posterior, ao centro, destacam-se brilhantes cebolas que estão penduradas em cabos, junto a uma prateleira com objectos de barro e panos. Nas costas da hortaliceira mais jovem existe um vaso com uma planta florida. Trata-se de uma obra com bastante preciosismo, retratando a actividade quotidiana destas personagens populares.
Incorporação:
Legado - Legado do pintor Almeida e Silva
Origem / Historial:
Esta obra recebeu a medalha de ouro na 36ª Exposição Anual da Sociedade Nacional de Belas Artes em Lisboa, no ano de 1939. É a peça mais icónica, de toda a produção de Almeida e Silva. Podendo ser considerada como “pintura de género”, já que nos remete para a representação de uma actividade, esta obra é também um extraordinário “retrato” físico e psicológico, e ainda uma excelente figuração de “natureza morta”, pela qualidade do tratamento dado aos elementos vegetais. A composição, que poderia ser partida em dois retratos aparentemente distintos, revelam o instante em que duas vendedeiras, mulheres robustas, vestidas de forma simples, já de meia-idade, se preparam para dispor as hortaliças numa bancada de venda. A mulher mais velha, no lado esquerdo da composição, acomoda um quinhão de couves com as suas mãos rudes e fortes. A sua expressão é compenetrada e pensativa. O seu trajo popular, saia rodada, ampla camisa escura e avental, é próprio de um dia comum de trabalho, só pontuado, com alguma alegria, pelo lenço de cor garrida e com as argolas de ouro. A mulher mais nova segura, com os seus braços fortes, uma cesta repleta de nabos, apoiando-a na bancada. A sua expressão facial é bruta e tensa, talvez antevendo um pálido sorriso ou apenas a manifestação de cansaço. Em ambas as personagens, que são de gerações diferentes, parece trespassar um sentimento de resignação. Na primeira talvez seja um gesto maquinal, de toda uma vida, que mesmo à boca da velhice ainda é necessário que se continue, para bem de um magro sustento; a outra decalca essa vivência, com aceitação, como que uma inevitabilidade. No fundo escuro da composição podemos ver uma série de outros elementos, (eventualmente dispensáveis) que ajudam a caracterizar o espaço. São bem notórias as réstias de generosas cebolas e outros atavios, como uma grande talha de azeitonas, alguma louça rústica e um vaso com flores. No contexto das obras de Almeida e Silva, esta expressa bem as suas qualidades técnicas, plásticas, amplos recursos e a predilecção por uma estética naturalista, que não deixa de ser temperada com um sentimentalismo romântico e um apreço particular pelos temas do mundo rural e da identidade beirã. (Sérgio Gorjão, 2011)
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica