MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sábado, 24 de fevereiro de 2024    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Grão Vasco
N.º de Inventário:
2628
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Aspecto da Vida dos Pescadores
Datação:
1929 d.C.
Suporte:
Papel
Técnica:
Aguarela
Dimensões (cm):
altura: 24; largura: 32;
Descrição:
Paisagem de costumes. Na praia de Matosinhos é captado o momento da chegada de um barco de pesca, rodeado pelos numerosos pescadores, descalços e com os pés na água. Do lado esquerdo, ocupando toda a altura do suporte, destaca-se um pescador de costas para o observador e apoiado numa grande vara, de boina e camisa aos quadrados vermelhos, sem visualização dos pés e pernas. Por entre este, vê-se outro pescador; ambos formam uma barreira que impede a visualização de parte do barco e do limite das águas do mar. Em segundo plano, ao centro, forte aglomerado de pescadores envolvem o barco, destacando-se duas figuras que se movimentam em direcção a terra, transportando uma cesta segura por vara, que fica apoiada no ombro direito de ambos os pescadores. Na articulação do conjunto é dada prioridade à verticalidade, dado que as figuras foram observadas de pé.
Incorporação:
Compra - No ano de 1933 foram adquiridas 17 aguarelas com cenas dos pescadores pelo valor total de 6.800$000. O pagamento das mesmas foi distribuído por várias prestações e foi concluído no ano de 1935. As peças encontram-se registadas no museu com os seguintes números de inventário: 2638; 2631; 2644; 2639; 2645; 2627; 2708; 2628; 2633; 2634; 2635; 2642; 2637; 2632; 2643; 2636; 2629.
Origem / Historial:
As dezassete aguarelas de Joaquim Lopes, cuja temática incide sobre a faina da pesca, em Matosinhos, focalizam uma sequência de cenas ou actividades centralizadas na praia ou à beira mar. Apesar de umas terem sido executadas em 1928 e outras em 1929, existe nelas uma continuidade temática, em virtude de o pintor retratar actos colectivos quotidianos. O conjunto deu entrada no museu em 1933 e logo justificou a atribuição de uma sala de aguarelas, concorrendo para o estatuto privilegiado que Joaquim Lopes vinha ganhando no contexto expositivo do museu.

Bibliografia

GORJÃO, Sérgio (coord.); SILVA, Alcina; ABREU, Lucília - Joaquim Lopes (1886-1956) Coleções do Museu de Grão Vasco, Ed. GAMUS, Viseu 2012, p.p.102, pág. 90 e 94

GRAÇA, Manuel Azevedo (Coord. Editorial), Raul Brandão: 150 anos, Ed. Cãmara Municipal Porto, 2018, pág. 422-430

 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica