MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contacts  separator  Help  separator  Links  separator  Site Map
 
Friday, February 23, 2024    INTRODUCTION    ORIENTED RESEARCH    ADVANCED RESEARCH    ONLINE EXHIBITIONS    INVENTORY GUIDELINES 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
OBJECT DETAILS
Museum:
Museu Grão Vasco
Inventory number:
2708
Supercategory:
Arte
Category:
Pintura
Name:
Aspecto da Vida dos Pescadores
Date / Period:
1928 A.D - 1929 A.D
Holder:
Papel
Technique:
Aguarela
Measurments (cm):
height: 24,5; width: 32;
Description:
Paisagem de costumes. Na praia de Matosinhos observa-se no areal pequenos grupos de varinas, umas em pé, outras sentadas em cima das gamelas ou na areia, conversando entre si enquanto esperam a chegada dos pescadores. Em primeiro plano, no canto direito, três gamelas isoladas na areia, seguindo-se a presença de três varinas sentadas junto de uma outra gamela, a conversar, duas viradas para o observador e uma de costas. Segue-se uma fila de figurantes sentadas em grupos, ou não, destacando-se do lado esquerdo uma varina em movimento, caminhando de costas para o observador e segurando com os braços uma canastra; do lado esquerdo três varinas em pé, expectantes. Num plano fundeiro, no limite do suporte, pequenas manchas esboçam e dão continuidade à faixa central de figurantes, agora mais em pé, em diálogo com as manchas que expressam carroças, barracas ou casas.
Incorporation:
Compra - No ano de 1933 foram adquiridas 17 aguarelas com cenas dos pescadores pelo valor total de 6.800$000. O pagamento das mesmas foi distribuído por várias prestações e foi concluído no ano de 1935. As peças encontram-se registadas no museu com os seguintes números de inventário: 2638; 2631; 2644; 2639; 2645; 2627; 2708; 2628; 2633; 2634; 2635; 2642; 2637; 2632; 2643; 2636; 2629.
Origin / History:
As dezassete aguarelas de Joaquim Lopes, cuja temática incide sobre a faina da pesca, em Matosinhos, focalizam uma sequência de cenas ou actividades centralizadas na praia ou à beira mar. Apesar de umas terem sido executadas em 1928 e outras em 1929, existe nelas uma continuidade temática, em virtude de o pintor retratar actos colectivos quotidianos. O conjunto deu entrada no museu em 1933 e logo justificou a atribuição de uma sala de aguarelas, concorrendo para o estatuto privilegiado que Joaquim Lopes vinha ganhando no contexto expositivo do museu.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Terms & Conditions  separator  Credits