MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sexta-feira, 23 de fevereiro de 2024    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Grão Vasco
N.º de Inventário:
2639
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Aspecto da Vida dos Pescadores
Datação:
1928 d.C.
Matéria:
Aguarela
Suporte:
Papel
Dimensões (cm):
altura: 24,5; largura: 32;
Descrição:
Paisagem de costumes. Ajuntamento de uma comunidade piscatória na praia de Matosinhos, na areia, junto da linha de água, aguardando a aproximação das embarcações de pesca. À direita da composição, em primeiro plano, dois pescadores vêm para terra carregando uma vara, apoiada nos ombros, na qual está suspenso um cesto. À esquerda, um grupo de seis mulheres sentadas em círculo, parecem indiferentes à agitação do aglomerado de gente que se lhes segue, em pé, e que se preparam para receber os pescadores. Em plano fundeiro as embarcações com os pescadores, estando do lado direito dois barcos a ser puxados pelos homens do mar que, para o efeito, utilizam diversas varas de madeira. Do lado esquerdo, um outro barco aproxima-se da praia com os seus ocupantes.
Incorporação:
Compra - No ano de 1933 foram adquiridas 17 aguarelas com cenas dos pescadores pelo valor total de 6.800$000. O pagamento das mesmas foi distribuído por várias prestações e foi concluído no ano de 1935. As peças encontram-se registadas no museu com os seguintes números de inventário: 2638; 2631; 2644; 2639; 2645; 2627; 2708; 2628; 2633; 2634; 2635; 2642; 2637; 2632; 2643; 2636; 2629.
Origem / Historial:
As dezassete aguarelas de Joaquim Lopes, cuja temática incide sobre a faina da pesca, em Matosinhos, focalizam uma sequência de cenas ou actividades centralizadas na praia ou à beira mar. Apesar de umas terem sido executadas em 1928 e outras em 1929, existe nelas uma continuidade temática, em virtude de o pintor retratar actos colectivos quotidianos. O conjunto deu entrada no museu em 1933 e logo justificou a atribuição de uma sala de aguarelas, concorrendo para o estatuto privilegiado que Joaquim Lopes vinha ganhando no contexto expositivo do museu.

Bibliografia

GRAÇA, Manuel Azevedo (Coord. Editorial), Raul Brandão: 150 anos, Ed. Cãmara Municipal Porto, 2018, pág. 422-430

SILVA, Alcina - "A presença de Joaquim Lopes no Museu de Grão Vasco": FAUVRELLE, Natália (Coord) Mestre Joaquim Lopes, Fundação Museu do Douro, Peso da Régua, 2009., pág. 76-85

 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica