MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contacts  separator  Help  separator  Links  separator  Site Map
 
Friday, February 23, 2024    INTRODUCTION    ORIENTED RESEARCH    ADVANCED RESEARCH    ONLINE EXHIBITIONS    INVENTORY GUIDELINES 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
OBJECT DETAILS
Museum:
Museu Grão Vasco
Inventory number:
2627
Supercategory:
Arte
Category:
Pintura
Name:
Aspecto da Vida dos Pescadores
Date / Period:
1928 A.D
Holder:
Papel
Technique:
Aguarela
Measurments (cm):
height: 25,5; width: 31;
Description:
Paisagem de costumes. Na praia de Matosinhos observam-se varinas e pescadores, em pequenos grupos ou sózinhos, uns em pé, outros sentados, em atitudes expectantes ou apenas esperando. Em primeiro plano, ao centro da composição, uma varina em pé, de lenço verde, blusa e saia em tons de azul, de costas para o observador, apresenta uma singular expressividade no posicionamento corporal, parecendo sentir o acto colectivo da espera dos pescadores. Na margem esquerda da aguarela, separada desta varina por algumas gamelas no chão, outra figura isolada, em pé, vestida de negro e também de costas para o observador. Entre ambas, uma clareira com figuras sentadas e em pé, destacando-se em último plano uma figura feminina com uma gamela à cabeça, a caminhar para terra. À direita da varina central, em plano ligeiramente mais avançado, duas varinas acocoradas, seguidas de grupo de quatro figurantes, duas varinas e dois pescadores com chapéu.
Incorporation:
Compra - No ano de 1933 foram adquiridas 17 aguarelas com cenas dos pescadores pelo valor total de 6.800$000. O pagamento das mesmas foi distribuído por várias prestações e foi concluído no ano de 1935. As peças encontram-se registadas no museu com os seguintes números de inventário: 2638; 2631; 2644; 2639; 2645; 2627; 2708; 2628; 2633; 2634; 2635; 2642; 2637; 2632; 2643; 2636; 2629.
Origin / History:
As dezassete aguarelas de Joaquim Lopes, cuja temática incide sobre a faina da pesca, em Matosinhos, focalizam uma sequência de cenas ou actividades centralizadas na praia ou à beira mar. Apesar de umas terem sido executadas em 1928 e outras em 1929, existe nelas uma continuidade temática, em virtude de o pintor retratar actos colectivos quotidianos. O conjunto deu entrada no museu em 1933 e logo justificou a atribuição de uma sala de aguarelas, concorrendo para o estatuto privilegiado que Joaquim Lopes vinha ganhando no contexto expositivo do museu.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Terms & Conditions  separator  Credits