MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quarta-feira, 17 de abril de 2024    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Grão Vasco
N.º de Inventário:
2629
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Aspecto da Vida dos Pescadores
Datação:
1929 d.C.
Suporte:
Papel
Técnica:
Aguarela
Dimensões (cm):
altura: 24,5; largura: 32;
Descrição:
Paisagem de costumes. Na praia de Matosinhos observam-se algumas varinas e pescadores em pé, em atitude expectante ou em movimento; e outras varinas sentadas, em grupo. Do lado esquerdo, a composição é expressivamente animada por duas varinas que, de forma dinâmica, caminham para o observador, transportando à cabeça uma canastra com peixe e deixando na areia as manchas das suas sombras. No canto inferior direito, duas gamelas cortam, no primeiro plano, a extenção do areal. Seguem-se três varinas coloridas, sentadas em torno de uma gamela. Num plano mais distante, alargam-se outros figurantes, sozinhos ou aos pares, parados ou em movimento, virados para o mar ou para terra. Ao plano da mancha de areal com os figurantes, segue-se a faixa de mar, marcada ao centro por uma pequena embarcação com pessoas; e vários barcos à velas junto da linha do horizonte, do lado direito da composição.
Incorporação:
Compra - No ano de 1933 foram adquiridas 17 aguarelas com cenas dos pescadores pelo valor total de 6.800$000. O pagamento das mesmas foi distribuído por várias prestações e foi concluído no ano de 1935. As peças encontram-se registadas no museu com os seguintes números de inventário: 2638; 2631; 2644; 2639; 2645; 2627; 2708; 2628; 2633; 2634; 2635; 2642; 2637; 2632; 2643; 2636; 2629.
Origem / Historial:
As dezassete aguarelas de Joaquim Lopes, cuja temática incide sobre a faina da pesca, em Matosinhos, focalizam uma sequência de cenas ou actividades centralizadas na praia ou à beira mar. Apesar de umas terem sido executadas em 1928 e outras em 1929, existe nelas uma continuidade temática, em virtude de o pintor retratar actos colectivos quotidianos. O conjunto deu entrada no museu em 1933 e logo justificou a atribuição de uma sala de aguarelas, concorrendo para o estatuto privilegiado que Joaquim Lopes vinha ganhando no contexto expositivo do museu.
Iconografia e Heráldica

Tipo

Descrição

Imagem

Iconografia

Esta pintura integra um conjunto de dezassete aguarelas que Joaquim Lopes executou nos anos de 1928 e 1929, com a anotação de Cenas da Vida dos Pescadores de Matosinhos. Ao contrário da generalidade das pinturas a óleo de Joaquim Lopes, que maioritariamente nos remetem para ambientes relativamente estáticos e em que se procura um tipo diferente de impacto artístico, as dezassete aguarelas apontam num sentido muito diverso, para simples aspectos da vida dos pescadores, cheios de vivacidade e sugestão de movimento, como que colhidas num instantâneo. Estas pinturas são verdadeiras imagens que podem ser encadeadas e insinuar uma espécie de contínuo fílmico, como que uma reportagem do quotidiano dos pescadores, com as mulheres que esperam pelos maridos na praia, aguardando pelo fruto da faina que entretanto terão de vender na lota, e ainda toda uma movimentação de figurantes que conseguem produzir no observador uma sensação realista e quase física, de um ruído de fundo, com pessoas à conversa e grasnados de gaivota, com a impressão táctil de uma fresca brisa marítima, carregada de sal e de aroma a mar. A espontaneidade e capacidade de observação resultam no modo como Joaquim Lopes retratou estes seus modelos, transmitindo tal realismo a todas as cenas que provoca no observador a sugestão de que todos aqueles grupos vão começar, de repente, a agitar-se em torno dos homens que estão a chegar, porque seria esse o encadeamento lógico da situação que o artista contextualizou. Estas cenas alusivas à faina piscatória, não são anotações “marinhas”, dado que não subjaz ao interesse do artista representar a beleza natural do mar, mas sim meras observações da faina dos pescadores na sua chegada a terra e do envolvimento dos diversos grupos de varinas e de pescadores. Nelas se manifesta um impressionante domínio técnico do uso da aguarela, tanto mais que são executadas com grande rapidez e precisão, recorrendo a uma paleta relativamente simples e monocromática, em que predominam os tons ocre e cinzentos, de quando em vez pontuados por azuis e vermelhos. Revelam, também, a sensibilidade pessoal do pintor face a um universo marítimo e profissional que lhe estava perto.

imagem
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica