MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sábado, 18 de agosto de 2018    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu de Lamego
N.º de Inventário:
144 e 145
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Ourivesaria
Denominação:
Salvas de pé alto (par)
Autor:
Desconhecido
Local de Execução:
Portugal
Datação:
XV d.C.
Matéria:
Prata
Técnica:
Dourada, relevada, incisa e recortada.
Dimensões (cm):
altura: 14; diâmetro: 20,5; d.b.8,8;
Descrição:
Salvas circulares de pé alto cupuliforme e prato com centro rebaixado definido por medalhão. A base circular e moldurada é alteada em quatro registos, sendo o primeiro formado por meia-cana lisa, o segundo por friso de godrões; troncocónico liso, o terceiro, e o quarto exibe coroa de louros. A decoração de reverso combina três folhas de acanto e motivos geométricos. A haste apresenta nó periforme ornamentado por sequência de anéis moldurados, renque de acantos, friso de godrões e folhas estilizadas. O prato apresenta orla recortada, alternando mascarões com motivos vegetalistas, exibindo no reverso um friso de conchas e volutas incisas. Aba estreita de superfície côncava, delimitada por friso perlado. O prato apresenta uma composição de alvéolos que formam fiadas concêntricas cuja dimensão vai diminuindo em direcção ao medalhão, que por sua vez apresenta formato de girassol com a coroa preenchida por Cupido empunhando um arco, atirando uma seta a duas figuras repousando sob árvore. A orla, medalhão e pé são posteriores.
Incorporação:
Transferência - Antigo Paço Episcopal de Lamego
Origem / Historial:
Testemunhos de uma atmosfera de conforto e aparato, emergente nos finais da Idade Média, embora estruturalmente alteradas por uma adaptação posterior, os dois exemplares inscrevem-se numa tipologia de salvas decorativas de pé alto com a marca estética e ornamental do manuelino. A nota mais expressiva e original destas peças reside na solução decorativa da superfície circular do prato, com um recurso a um esquema de faixas concêntricas de alvéolos hemisféricos e fiadas de pontas de diamante. Estas formas que também encontramos em duas salvas da Fundação Ricardo Espírito Santo Silva, resultam de uma reciprocidade de relações entre a ourivesaria e arquitetura. Entre os mais conhecidos exemplos de apropriação do motivo das «pontas de diamante» pela arquitetura portuguesa, refira-se a celebrada Casa dos Bicos, em Lisboa, o portal da igreja da Vestiaria, em Alcobaça, a fachada do palácio do Infantado, de Juan Guás, e as igrejas projetadas por Juan de Inglés, na antiga diocese de Cartagena, já na segunda metade do século XVI. Sem negar a dimensão simbólica intrínseca do motivo de ponta-de-diamante, e as especiais virtudes taumatúrgicas que se associavam às gemas, a adaptação padronizada deste elemento, esvaziando-o portanto da sua particularidade substancial, mais do que atender a pressupostos simbólicos, responde essencialmente a intenções de valorização plástica das superfícies, por vezes austeras e simples, com elementos geométricos de perfis límpidos e nítidos, retirando daí os efeitos exuberantes das texturas particularmente sensíveis à luz. Habitualmente exibidas em aparadores, nas salas destinadas a momentos de convívio, as salvas funcionavam como uma verdadeira metáfora da posição e hierarquia do seu proprietário.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica