MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
terça-feira, 7 de dezembro de 2021    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional Soares dos Reis
N.º de Inventário:
10 Pin CMP/ MNSR
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Auto-retrato de Augusto Roquemont
Datação:
1828 d.C. - 1829 d.C.
Suporte:
Tela
Técnica:
Óleo
Dimensões (cm):
altura: 41,7; largura: 34,7;
Descrição:
Retrato executado no começo da vida artística do pintor, com cerca de vinte e quatro anos, logo após a chegada a Portugal. A figura está representada em busto, o corpo virado a 3/4 para a direita e a cabeça e o olhar voltados para o observador. Seguindo uma figuração característica do retrato romântico, o rosto e a gola branca da camisa contrastam com o negro do fundo do quadro, do casaco e da cabeleira farta.
Incorporação:
Depósito da Câmara Municipal do Porto no Museu Nacional de Soares dos Reis.
Origem / Historial:
Legado em 1852 por A. Roquemont ao conde de Arronchela, pertenceu posteriormente ao Conde da Azenha, depois a sua irmã, a Condessa de Basto a quem Francisco José de Rezende o comprou. F. J. Rezende exibiu-o em 1887 na Casa Havaneza, no Porto, e em 1890, na Loja de António Moreira Cabral, também no Porto, após ter sofrido uma beneficiação de limpeza e restauro. A obra foi doada ao Museu Municipal ("Lego em vida") em 1890. Incluída no Inventário Geral do Museu Municipal do Porto de 1938/39, cujo acervo foi depositado no Museu Nacional de Soares dos Reis em 1940/41, conforme o disposto no Decreto-Lei 27.879 de 21 de Julho de 1937.

Tipo

Descrição

Imagem

Iconografia

Augusto Roquemont 1804-1852) é filho natural do príncipe de Hesse Darmstadt, nascido em Genebra, na Suiça. Veio para Portugal em 1828, para acompanhar o pai, aqui permanecendo até à morte, em 1852. Fixou residência na região norte do país, principalmente no Porto e em Guimarães, e passou algumas temporadas em Lisboa. A ele se deve o desenvolvimento da prática da pintura de costumes populares, tendo por isso alcançado notoriedade na década de quarenta, junto da geração dos pintores românticos portugueses. A sua actividade centrou-se ainda, e principalmente, na pintura de retrato.

imagem
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica