MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sábado, 15 de dezembro de 2018    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arte Antiga
N.º de Inventário:
1726 Pint
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Título:
São Vicente na Cruz em Aspa
Autor:
Nuno Gonçalves
Oficina / Fabricante:
Oficina lisboeta de Nuno Gonçalves
Datação:
1450 d.C. - 1490 d.C.
Suporte:
Madeira de carvalho
Dimensões (cm):
altura: 209; largura: 40,8; espessura: 2,2;
Descrição:
São Vicente, de que apenas se vê metade do corpo, surge atado a uma cruz em aspa tendo sido por este motivo confundido com Santo André.
Incorporação:
Doação - Oferta de J. Barbosa.
Origem / Historial:
Relacionando-se com "São Vicente atado à coluna" (número de inventário 1549 Pint), esta pintura surge descrita no livro Legados e Ofertas como sendo constituída por duas tábuas de carvalho representando Santo André. Contudo, e de acordo com um livro antigo de inventário do Museu, aparece registada uma outra forma de incorporação: «Comprado na feira da ladra pelo conservador Luís Keil por 1$50». Apesar de não haver qualquer documento que comprove esta informação, Luís Reis-Santos afirma no ensaio que escreveu sobre a Iconografia Henriquina que a pintura (assim como "São Vicente atado à coluna", e o "São Pedro) foi adquirida no Campo de Santa Clara. Dos dois restauros a que a obra foi submetida - em 1935 e em 1940 - não existem relatórios sobre os tratamentos realizados. * Forma de Protecção: classificação; Nível de classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei n.º 107/2001, de 8 Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; N.º 19/2006; 18/07/2006 *
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica