MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quinta-feira, 23 de maio de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arte Antiga
N.º de Inventário:
1726 Pint
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Título:
São Vicente na Cruz em Aspa
Autor:
Nuno Gonçalves
Oficina / Fabricante:
Oficina lisboeta de Nuno Gonçalves
Datação:
1450 d.C. - 1490 d.C.
Suporte:
Madeira de carvalho
Dimensões (cm):
altura: 209; largura: 40,8; espessura: 2,2;
Descrição:
São Vicente, de que apenas se vê metade do corpo, surge atado a uma cruz em aspa tendo sido por este motivo confundido com Santo André.
Incorporação:
Doação - Oferta de J. Barbosa.
Origem / Historial:
Relacionando-se com "São Vicente atado à coluna" (número de inventário 1549 Pint), esta pintura surge descrita no livro Legados e Ofertas como sendo constituída por duas tábuas de carvalho representando Santo André. Contudo, e de acordo com um livro antigo de inventário do Museu, aparece registada uma outra forma de incorporação: «Comprado na feira da ladra pelo conservador Luís Keil por 1$50». Apesar de não haver qualquer documento que comprove esta informação, Luís Reis-Santos afirma no ensaio que escreveu sobre a Iconografia Henriquina que a pintura (assim como "São Vicente atado à coluna", e o "São Pedro) foi adquirida no Campo de Santa Clara. Dos dois restauros a que a obra foi submetida - em 1935 e em 1940 - não existem relatórios sobre os tratamentos realizados. * Forma de Protecção: classificação; Nível de classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei n.º 107/2001, de 8 Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; N.º 19/2006; 18/07/2006 *
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica