MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
segunda-feira, 17 de dezembro de 2018    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arte Antiga
N.º de Inventário:
358 Pint
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Título:
Nossa Senhora das Neves
Autor:
Francisco Henriques
Oficina / Fabricante:
Oficina de Francisco Henriques
Datação:
1509 d.C. - 1511 d.C.
Matéria:
Óleo
Suporte:
Madeira
Técnica:
Pintura a óleo
Dimensões (cm):
altura: 178; largura: 130;
Descrição:
Nossa Senhora das Neves, um tema iconográfico raro no contexto da arte portuguesa, surge no primeiro plano da composição. De manto vermelho e vestido verde com decote em bico que deixa a descoberto a orla branca da camisa, segura o Menino ao colo, o qual tem à volta do pescoço um colar de contas de coral e que, tal como a Virgem, apresenta a cabeça nimbada. Em segundo e terceiro planos sucedem-se cenas alusivas ao milagre da Virgem das Neves, milagre esse que se reporta à fundação da Igreja de Santa Maria Maggiore em Roma. Num compartimento aberto que se insere no conjunto arquitectónico colocado no centro do quadro, está uma cama de docel com um casal deitado, estando o homem de mãos postas e a mulher com a cabeça coberta por um toucado. A personagem masculina é um nobre e rico fidalgo de Roma a quem aparece a Virgem pedindo-lhe para na manhã seguinte ir até ao monte Esquilino e, no local onde encontrar neve, lhe edificar um templo. A última cena diz precisamente respeito ao início da edificação do templo no topo da colina miraculosamente coberta de neve em pleno mês de Agosto, onde o Papa Libério - a quem a Virgem fizera a mesma revelação - acolitado por um cardeal, um bispo e um fidalgo assinala o sítio onde a igreja será construída. A assistir encontra-se o povo e membros do clero. Encontrando-se parcialmente cortado no lado esquerdo, neste quadro deveriam figurar ainda a aparição da Virgem ao Papa Libério (no registo inferior), e a oração de devoção do casal de patrícios à Virgem (no registo superior). Assim, e segundo Dagoberto Markl (cf. catálogo da exposição Francisco Henriques. Um Pintor em Évora no Tempo de D. Manuel), a leitura far-se-ía da esquerda para a direita e de baixo para cima: 1. Sonho do Papa Libério; 2. Oração dos Esposos Romanos à Virgem; 3. Sonho do Casal Patrício Romano; 4. Milagre da Neve.
Incorporação:
Outro - Transferência: Convento de São Francisco (Évora)
Origem / Historial:
Este quadro, assim como "Nossa Senhora da Graça com o Menino entre Santa Julita e São Querito" (MNAA); «O Profeta Daniel Julgando a Casta Susana" (Museu Regional de Évora); Aparição de Cristo a Maria Madalena" (MNAA); "Pentecostes" (MNAA) e "São Cosme, São Tomé e São Damião" (MNAA), era um dos painéis que decoravam as capelas laterais da Igreja de São Francisco de Évora. De acordo com Dagoberto Markl (cf. catálogo da exposição Francisco Henriques. Um Pintor em Évora no Tempo de D. Manuel), é possível concluir que os painéis "O Profeta Daniel Julgando a Casta Susana" e "São Cosme, São Tomé e São Damião" estariam colocados no lado do Evangelho, colocando-se "Nossa Senhora da Graça com o Menino entre Santa Julita e São Querito" e o "Pentecostes" do lado da Epístola. A localização, quer da "Aparição de Cristo a Maria Madalena", quer da "Virgem das Neves", é uma incógnita. Contudo, e segundo Dagoberto Markl, é possível que este último figurasse na Capela de Nossa Senhora da Guia. * Forma de Protecção: classificação; Nível de classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei n.º 107/2001, de 8 Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; N.º 19/2006; 18/07/2006 *
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica