MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
segunda-feira, 17 de dezembro de 2018    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arte Antiga
N.º de Inventário:
17 Pint
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Retábulo da Vida de São Tiago
Título:
Entrega da Bandeira a um Mestre da Ordem de Santiago
Autor:
Desconhecido
Datação:
1520 d.C. - 1525 d.C.
Matéria:
Óleo
Suporte:
Madeira de carvalho
Técnica:
Pintura a óleo
Dimensões (cm):
altura: 99; largura: 84;
Descrição:
Este episódio está directamente relacionado com a pintura que o antecede - a Investidura de um Mestre da Ordem de Santiago -, tanto em termos narrativos, como sob o ponto de vista iconográfico. Assim, e à semelhança do quadro mencionado, quer as figuras eclesiásticas, quer o cavaleiro, apresentam as mesmas feições, se bem que este último surja agora com uma armadura e a capa da Ordem. Ajoelhado diante de um altar encimado por um baldaquino, o Mestre D. Pero Fernandes recebe do Papa a bandeira espatária de cruz branca sobre fundo vermelho. A assistir à cerimónia encontramos de novo um grupo de cavaleiros ricamente paramentados e, ao fundo, perto de uma janela, dois outros cavaleiros que se dedicam à leitura de um livro. O facto da pintura apresentar falhas significativas, nomeadamente sobre o rosto do jovem cavaleiro, já levou a que alguns historiadores tivessem avançado com a hipótese de se tratar de um gesto propositado por se julgar estar aqui representado D. Jorge, progenitor dos Távoras.
Incorporação:
Transferência - Convento de Santiago, Palmela
Origem / Historial:
J. M. Cordeiro de Sousa divulgou em 1956 um auto de avaliação dos ''retavolos e cadeyras e grades deste convento de Palmela'', em que se menciona um ''Retauolllo g(ra)nde'' com o valor estimado em vinte sete mil reis. Tudo indicava estarmos perante uma menção às pinturas do Retábulo da Vida e da Ordem de Santiago, não fossem alguns dos dados referidos (a quantia em que o avaliaram e os oficiais que procederam à avaliação, ambos escultores e não pintores, como seria de esperar), suscitarem dúvidas relatiamente a esta identificação. Assim, e no seguimento das objecções colocadas por Flávio Gonçalves, Dagoberto Markl (cf. ''O Retábulo da Vida e da Ordem de Santiago''),colocou a hipótese deste documento se referir, não aos vários painéis que compunham o retábulo, mas sim à sua talha. Ainda este historiador encontrou na Torre do Tombo um ''Inventário dos quadros do Convento da Ordem Militar de Santiago da Espada (Palmela)'', incluído no Maço 248 (Ministério da Justiça), do ano de 1823. Este documento, anterior à lei de 1834 que extinguiu os conventos nacionais, inclui-se numa extensa inventariação das casas religiosas, trabalho esse que descreve os edifícios visitados e respectivo património. Referindo-se ao Convento de Palmela, dá conta de ''Quadros Antigos Alusivos a S. Thiago e ao Grão Mestre Doze... 12'', reportando-se, segundo tudo indica, ao retábulo de que esta pintura faz parte. O facto de se mencionarem doze tábuas, e não oito (correspondente ao número de quadros que subsitem), reforça a ideia de que estamos perante uma alusão a esta pintura retabular, na medida em que através de uma análise atenta da mesma se verifica uma falta de ligação temática incompreensível numa obra desta natureza. Das pinturas subsistentes, três reportam-se à vida de Santiago (''Jesus envia Santiago e São João em Missão Apostólica'', ''Pregação de Santiago'' e ''Conversão de Hermógenes''), dois à vida gloriosa de Santiago (''Condução do corpo de Santiago ao paço da rainha Loba'' e ''Santiago combatendo os Mouros'') e outros três à Ordem e ao Grão Mestre de Santiago (''Investidura de um Mestre da Ordem de Santiago'', ''Entrega da bandeira a um Mestre da Ordem de Santiago'' e ''Aparecimento da Virgem a um Mestre da Ordem de Santiago''). Ou seja, depois de três pinturas alusivas à vida de Santiago, surge uma quebra tenática e narrativa, pois o painel seguinte é o da condução do corpo do santo ao paço da rainha Loba. Está, assim, ausente um dos temas fundamentais deste ciclo: o martírio de Santiago, que seria precedido por uma tábua referente à trasladação do corpo de Santiago da Judeia para Espanha. A fechar este núcleo, estaria a conversão e baptismo da rainha Loba. Seguindo a sugestão de reconstituição de Dagoberto Markl que divide o ratábulo em três séries temáticas, estando colocado ao centro uma imagem em vulto de Santiago Peregrino, Fernando António Baptista Pereira (cf. ''Reconstrução conjectural do Retábulo da Vida e da Ordem de Santiago'') elaborou um esquema, de acordo com o qual haveria três fiadas compostas por quatro pinturas, prefazendo assim um total de doze quadros. A primeira fiada, dedicada à Vida e Martírio de Santiago, seria composta pelas pinturas ''Jesus envia Santiago e São João em Missão Apostólica'', ''Pregação de Santiago'', ''Conversão de Hermógenes'' e ''Decapitação de Santiago'' (esta última, desaparecida). Na segunda série, alusiva à Vida Gloriosa de Santiago, teríamos a ''Trasladação do corpo de Santiago da Judeia para a Hispânia'' (desaparecido), ''Condução do corpo de Santiago para o Palácio da Rainha Loba'', ''Conversão e Baptismo da Rainha Loba'' (desaparecido) e ''Santiago Combatendo os Mouros''. Por fim, na última fiada reporta-se à Ordem de Santiago, englobando ''Investidura de um Mestre'', ''Entrega da Bandeira'', ''provação dos Estatutos da Ordem de Santiago'' (desaparecido) e ''Aparecimento da Virgem''. No eixo central estaria o sacrário, a escultura do santo e o baldaquino. * Forma de Protecção: classificação; Nível de classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei n.º 107/2001, de 8 Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; N.º 19/2006; 18/07/2006 *
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica