MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sábado, 15 de dezembro de 2018    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arte Antiga
N.º de Inventário:
9 Pint
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Retábulo do Convento do Paraíso
Título:
Anunciação
Autor:
Gregório Lopes
Datação:
1527 d.C.
Matéria:
Óleo
Suporte:
Madeira de carvalho
Técnica:
Pintura a óleo
Dimensões (cm):
altura: 129; largura: 88;
Descrição:
A cena tem lugar no interior de um quarto (a câmara) que é antecedido por um pequeno compartimento (a antacâmara), a que se tem acesso através de uma abertura composta por dois arcos em ferradura e dividida a meio por uma coluna de mármore vermelho. Ao fundo, encostado a uma parede branca, um armário com loiça e utensílios domésticos (um aparador) e um lavabo, são elementos que, para além da sua qualidade decorativa, obedecem a um simbolismo preciso, na medida em que remetem para a água purificadora, o que está directamente relacionado com a virgindade de Maria. Na divisão principal, onde se destacam a cama de dossel e o chão de ladrilho vermelho parcialmente coberto por um tapete oriental decorado com motivos geométricos, representa-se a Virgem, do lado esquerdo da composição, e o anjo Gabriel, do lado direito. O anjo, com vestes de um branco rosado e dalmática bordada de fio de ouro e aplicações de pedraria, segura com a mão direita um bastão de ouro e com a esquerda aponta para o Espírito Santo cujos raios - uma emanação directa de Deus Pai - simbolizam a descida de Deus filho. A Virgem, ajoelhada e em posição de submissão, tem no regaço um livro de horas aberto e a seus pés, em primeiro plano, uma jarra de faiança portuguesa com açucenas e a inscrição «Abram Prim» ("Abrãao Primeiro"). Este pormenor alude à figura de Abrãao e ao episódio bíblico em que o Patriarca e Sara, sua mulher, sendo já idosos, são visitados por três anjos enviados por Deus que lhes anunciam o nascimento de um filho. Uma vez que o nascimento e a circuncisão de Isaac anunciam e prefiguram o nascimento e circuncisão de Cristo (assim como o sacrifício do primeiro é associado ao Calvário), o paralelismo entre ambos foi sempre posto em evidência, nomeadamente no tema da Anunciação. De um ponto de vista estrutural, a composição é bipartida, reflexo da própria dualidade dos intervenientes, cada um deles pertencente a esferas diferentes - ao mundo celeste Gabriel, e ao mundo terreno a Virgem -, o que é ainda sublinhado pelos efeitos de claro-escuro e pela direcção da luz. Acompanhando a diagonal descendente em direcção à Virgem que parte, quer da pomba, quer do dedo indicativo do anjo, a luz emana da direita, acentuando desta forma o lugar da manifestação do sagrado.
Incorporação:
Outro - Transferência: Convento do Paraíso (Lisboa)
Origem / Historial:
O retábulo "do Paraíso", assim designado uma vez que provém do altar-mor do extinto Convento do Paraíso em Lisboa, foi já objecto de alguns estudos que resultaram em opiniões diversas e divergentes no que toca à sua autoria. Num primeiro momento, o conjunto foi atribuído a Grão Vasco (Vasco Fernandes) por Taborda e Cirilo, opinião refutada por Raczynski, que propôs o nome de Abram Prim (Primus). Carl Justi apontou como autor o pintor Velascus e Émile Bertaux dividiu a série em dois conjuntos, atribuindo a "Anunciação", a "Visitação" e a "Natividade" a Cristóvão de Figueiredo, e os restantes painéis ao "Mestre do Retábulo de Santiago". Foi, porém, José de Figueiredo quem reagropou novamente as oito pinturas e as enquadrou na obra do "Mestre do Paraíso", no que foi secundado por Reinaldo dos Santos. A Myron Malkiel-Jirmounsky coube alertar para o facto de estarmos na presença de uma obra colectiva e não de um só pintor. Actualmente, e na esteira deste último historiador, ainda que se destaque o nome de Gregório Lopes na atribuição deste conjunto retabular, não há dúvida em se afirmar que se trata de uma obra de parceria, o que é desde logo visível na heterogeneidade pictórica e técnica das várias tábuas que o compõem.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica