MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 8 de dezembro de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea
N.º de Inventário:
851
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Pousada de ciganos
Datação:
1923 d.C.
Matéria:
Óleo
Suporte:
Tela
Técnica:
Pintura a óleo
Dimensões (cm):
altura: 85; largura: 115;
Descrição:
Partindo de vários estudos sobre a arquitectura branca de Olhão e fascinado com as suas formas contíguas ("esculpidas", escreverá Reinaldo dos Santos em 1923), de geometria irregular, Viana representa neste quadro o casario de Olhão entendido em planos volumétricos que se sobrepõem, construção que assenta numa diagonal que pende para a direita, introduzindo dinamicamente uma tensão inédita no conjunto branco do casario. Em primeiro plano, vê-se um acampamento de ciganos indistinto, com várias figuras juntas, lonas, duas carroças e um cavalo à entrada da povoação. Embora o entendimento geométrico da composição seja de raiz cezaneana ou cubista ("hoje tudo passa pelo Cubismo" dizia Viana em 1922), o pintor parte de uma realidade incontornável, o fascínio plástico e sensitivo pelo objecto natural que terá uma materialidade própria no jogo da pintura. Composição rara na situação naturalista dos anos 20, esta "Pousada dos ciganos" desconstrói "por dentro" o espaço perspéctico naturalista ("não sei de composição mais perigosa do que a instabilidade dessa pousada de ritmos cadentes" - SANTOS, 1923, p. 91; cf. Bibliografia), privilegiando a volumetria das casas e o frio azul das paredes, e mostrando um entendimento particular das possibilidades compositivas, assim como uma sensiblidade e ousadia únicas nas harmonias de cor.
Incorporação:
Compra - Adquirido pelo Estado
Origem / Historial:
Adquirido pelo Estado em 1936. Intervenções de conservação e restauro: - Em 1973, no Laboratório José de Figueiredo (processo nºrest.108/73). Tratamento: Substituição da grade original por uma nova em casquinha, remoção do verniz amarelecido com white spirit, aplicação de uma camada de verniz de retoque Talens no final. - Em 2001 pela Empresa Junqueira 220. (Ver Doc. associada)
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica