MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 20 de janeiro de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional Machado de Castro
N.º de Inventário:
11266;P51
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Senhora da Rosa
Título:
Nossa Senhora da Cadeira / Virgem com o Menino e Doador
Autor:
Desconhecido
Datação:
1450 d.C. - 1500 d.C. - Gótico final
Suporte:
Madeira de castanho
Técnica:
Têmpera
Dimensões (cm):
altura: 209; comprimento: 128;
Descrição:
Pintura a têmpera sobre madeira de castanho representando a Virgem e o Menino entronizados, sob dossel e ladeados por duas personagens orantes. A Virgem, no centro da composição e ocupando grande parte da tábua, segura no braço esquerdo o Menino, que apresenta um pintassilgo, símbolo da Sua paixão, na mão esquerda, enquanto abençoa com a direita. A Virgem segura uma rosa na sua mão direita. No topo superior da composição e sob o dossel, dois anjos simétricos seguram filacteras e coroam Nossa Senhora. Vêm do exterior, através de duas aberturas quase simétricas por onde se vê o céu. Ladeando o trono, com o corpo de perfil e cabeça a três quartos, vemos duas personagens em atitude orante: à esquerda uma criança de hábito branco onde está gravada a vermelho, ao nível do peito, a cruz de Cristo; à direita, um monge de hábito castanho. Pintura em seis tábuas.
Incorporação:
Outro - Transferência (Conventos extintos). Colégio de S. Jerónimo (?)
Origem / Historial:
Pintura proveniente do Colégio de São Jerónimo. Originariamente deve ter pertencido a outra instituição, pois este colégio só foi fundado em meados do século XVI e a pintura é anterior. Há um registo que indica que pertenceu ao antigo Hospital da Misericórdia de Coimbra, instituição da qual não há notícia. Com a extinção da Ordens Religiosas, e respectivos colégios, esta pintura transitou para a posse do Estado. Até 1960, esta pintura era desconhecida. Com efeito, a obra de arte que o Museu expunha com o mesmo número de inventário, feita igualmente de seis tábuas de castanho com iguais dimensões e recorte, figurava também uma Virgem no trono, sentada na mesma atitude, segurando o Menino e uma rosa, mas essencialmente distinta. A primeira (datável do séc. XVI) mostrava uma pintura quinhentista a óleo em que a Virgem é apresentada como fonte da Sabedoria - SEDES SAPIENTIÆ - coroada, sentada num verdadeiro trono, arquitectonicamente elaborado, sobre o qual esvoaçam dois anjos segurando uma fita com inscrição. Encontrava-se esta obra em mau estado de conservação, quer no que respeita à camada cromática quer em termos da própria madeira, e por isso foi transportada para o Instituto José de Figueiredo, em Lisboa. O exame radiológico denunciou a existência de outra obra subjacente com características mais antigas. Esse facto, aliado ao estado de conservação que a radiografia mostrava, conduziram à decisão de levantar a segunda obra dada a importância da primeira para o estudo da escassa pintura portuguesa do séc. XV.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica