MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quarta-feira, 28 de setembro de 2022    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arqueologia
N.º de Inventário:
E 31
Supercategoria:
Arqueologia
Categoria:
Epigrafia
Denominação:
Fragmento Arquitectónico de Amen-Nakht
Título:
Coleção Egípcia
Local de Execução:
Egipto
Centro de Fabrico:
Região Tebana,Deir el-Medina
Datação:
Império Novo
Matéria:
Calcário
Técnica:
Talhe e escultura
Dimensões (cm):
altura: 71; largura: 20; espessura: 0,9;
Descrição:
Fragmento rectangular com inscrição hieroglífica na vertical, delimitada por traços, e duas figuras em baixo, viradas à esquerda, uma das quais sentada, tendo ambas pequenas legendas identificadoras. O fragmento arquitectónico de Amen-Nakht, que é uma das primeiras peças reunidas para a colecção ( foi trazida do Cairo em 1909 pelo professor Leite de Vasconcelos), parece ser de uma ombreira de porta. O texto tem os hieróglifos dispostos apontando para a esquerda, sendo por isso plausível aceitar a ideia de que ele faria par com um outro inscrito na ombreira contrária, situado à esquerda. Eventualmente seriam as ombreiras da porta da capela funerária de Amen-Nakht, cujo nome se traduz por "Amon é forte" e é dos nomes que na época (Império Novo) reflectia uma preponderância do deus Amon, não apenas na região tebana mas em todo o Egipto. O proprietário do túmulo e respectiva capela divulga na sua inscrição o nome do seu pai, Nebenmaet, prova de amor filial, mas também revelador da necessidade prática de uma melhor identificação da pessoa, devido a frequentes fenómenos de homonímia, sobretudo se pensarmos que a teoforização amoniana se prestava à frequente repetição dos nomes. Qualquer das personagens mencionadas se declara "maé-kheru", que se traduz por justificado e alude ao facto do defunto ter passado exitosamente pelo tribunal de Osíris que o levaria à eternidade. O título de Amen-Nakht é um dos mais vulgares na região de Deir el-Medina, onde viviam os trabalhadores dos túmulos do Vale dos Reis: trata-se de "sedjem-ach em Set-Maet", isto é, "servidor no Lugar de Verdade", o nome que se dava à necrópole tebana. Quanto à tradução à letra da expressão "sedjem-ach", ela vem a dar "o que escuta o apelo", que é como quem diz, a ordem do soberano, do vizir ou do chefe dos trabalhos, para a execução das tarefas ligadas ao túmulo real. (Luís Manuel de Araújo, Março 1990)
Incorporação:
Compra
Proveniência:
Deir el-Medina
Origem / Historial:
Esta peça foi uma das primeiras reunidas para a colecção do Egipto. Foi trazida do Cairo por José Leite de Vasconcelos, aquando do Congresso Arqueológico que aí se realizou (1909). Escreveu o próprio no livro de Entradas: " 2374- Placa egypcia (taboleta) e inscripção. Comprei no Cairo". Exposta na " Sala do Egipto" até 1980

Bibliografia

ARAÚJO, Luís Manuel de - Antiguidades Egípcias, vol. I. Lisboa: MNA, 1993, pág. 154

 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica