MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 23 de janeiro de 2022    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arqueologia
N.º de Inventário:
E 31
Supercategoria:
Arqueologia
Categoria:
Epigrafia
Denominação:
Fragmento Arquitectónico de Amen-Nakht
Título:
Coleção Egípcia
Local de Execução:
Egipto
Centro de Fabrico:
Região Tebana,Deir el-Medina
Datação:
Império Novo
Matéria:
Calcário
Técnica:
Talhe e escultura
Dimensões (cm):
altura: 71; largura: 20; espessura: 0,9;
Descrição:
Fragmento rectangular com inscrição hieroglífica na vertical, delimitada por traços, e duas figuras em baixo, viradas à esquerda, uma das quais sentada, tendo ambas pequenas legendas identificadoras. O fragmento arquitectónico de Amen-Nakht, que é uma das primeiras peças reunidas para a colecção ( foi trazida do Cairo em 1909 pelo professor Leite de Vasconcelos), parece ser de uma ombreira de porta. O texto tem os hieróglifos dispostos apontando para a esquerda, sendo por isso plausível aceitar a ideia de que ele faria par com um outro inscrito na ombreira contrária, situado à esquerda. Eventualmente seriam as ombreiras da porta da capela funerária de Amen-Nakht, cujo nome se traduz por "Amon é forte" e é dos nomes que na época (Império Novo) reflectia uma preponderância do deus Amon, não apenas na região tebana mas em todo o Egipto. O proprietário do túmulo e respectiva capela divulga na sua inscrição o nome do seu pai, Nebenmaet, prova de amor filial, mas também revelador da necessidade prática de uma melhor identificação da pessoa, devido a frequentes fenómenos de homonímia, sobretudo se pensarmos que a teoforização amoniana se prestava à frequente repetição dos nomes. Qualquer das personagens mencionadas se declara "maé-kheru", que se traduz por justificado e alude ao facto do defunto ter passado exitosamente pelo tribunal de Osíris que o levaria à eternidade. O título de Amen-Nakht é um dos mais vulgares na região de Deir el-Medina, onde viviam os trabalhadores dos túmulos do Vale dos Reis: trata-se de "sedjem-ach em Set-Maet", isto é, "servidor no Lugar de Verdade", o nome que se dava à necrópole tebana. Quanto à tradução à letra da expressão "sedjem-ach", ela vem a dar "o que escuta o apelo", que é como quem diz, a ordem do soberano, do vizir ou do chefe dos trabalhos, para a execução das tarefas ligadas ao túmulo real. (Luís Manuel de Araújo, Março 1990)
Incorporação:
Compra
Proveniência:
Deir el-Medina
Origem / Historial:
Esta peça foi uma das primeiras reunidas para a colecção do Egipto. Foi trazida do Cairo por José Leite de Vasconcelos, aquando do Congresso Arqueológico que aí se realizou (1909). Escreveu o próprio no livro de Entradas: " 2374- Placa egypcia (taboleta) e inscripção. Comprei no Cairo". Exposta na " Sala do Egipto" até 1980
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica