MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 23 de janeiro de 2022    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arqueologia
N.º de Inventário:
Au 410
Supercategoria:
Arqueologia
Categoria:
Ourivesaria
Denominação:
Brinco
Grupo Cultural:
Calcolítico da Estremadura
Datação:
Calcolitico
Matéria:
Ouro
Técnica:
Ouro laminado por martelagem
Dimensões (cm):
altura: 5,3; largura: 3,4;
Descrição:
Pendente laminar de forma ovalada, prolongada na parte superior, a meio, por uma haste dobrada sobre o reverso, formando gancho para suspensão. É orlado por duas linhas paralelas de pontilhado a punção, feitas a partir do reverso da peça, interrompidas na zona mais estreita, de onde parte a haste para suspensão. Apresenta-se ligeiramente amolgado e com algumas lacunas nos bordos. (Segundo ficha de Catálogo de Ourivesaria do MNA).
Incorporação:
Compra - A Lopes da Silva (dir. M. Heleno)
Proveniência:
Quinta de Entrecampos
Origem / Historial:
*Forma de Protecção: classificação; Nível de Classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei nº 107/2001, de 8 de Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei nº 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; nº 19/2006; 18/07/2006* A gruta artificial da Ermegeira, usada como necrópole durante o Calcolítico, foi descoberta casualmente em 1939, tendo sido escavada e publicada por M. Heleno. A violação de que o sepulcro foi alvo não permitiu ao arqueólogo mais do que recuperar algum espólio. Este par de pendentes, juntamente com as contas tubulares [Au 412-416] (existiam mais quatro, entretanto desaparecidas), assim como o restante espólio lítico, ósseo, cerâmico e metálico, parecem apontar para várias inumações de indivíduos socialmente prestigiados.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica