MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quinta-feira, 7 de julho de 2022    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arqueologia
N.º de Inventário:
Au 410
Supercategoria:
Arqueologia
Categoria:
Ourivesaria
Denominação:
Brinco
Grupo Cultural:
Calcolítico da Estremadura
Datação:
Calcolitico
Matéria:
Ouro
Técnica:
Ouro laminado por martelagem
Dimensões (cm):
altura: 5,3; largura: 3,4;
Descrição:
Pendente laminar de forma ovalada, prolongada na parte superior, a meio, por uma haste dobrada sobre o reverso, formando gancho para suspensão. É orlado por duas linhas paralelas de pontilhado a punção, feitas a partir do reverso da peça, interrompidas na zona mais estreita, de onde parte a haste para suspensão. Apresenta-se ligeiramente amolgado e com algumas lacunas nos bordos. (Segundo ficha de Catálogo de Ourivesaria do MNA).
Incorporação:
Compra - A Lopes da Silva (dir. M. Heleno)
Proveniência:
Quinta de Entrecampos
Origem / Historial:
*Forma de Protecção: classificação; Nível de Classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei nº 107/2001, de 8 de Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei nº 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; nº 19/2006; 18/07/2006* A gruta artificial da Ermegeira, usada como necrópole durante o Calcolítico, foi descoberta casualmente em 1939, tendo sido escavada e publicada por M. Heleno. A violação de que o sepulcro foi alvo não permitiu ao arqueólogo mais do que recuperar algum espólio. Este par de pendentes, juntamente com as contas tubulares [Au 412-416] (existiam mais quatro, entretanto desaparecidas), assim como o restante espólio lítico, ósseo, cerâmico e metálico, parecem apontar para várias inumações de indivíduos socialmente prestigiados.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica