MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 29 de maio de 2022    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arqueologia
N.º de Inventário:
Au 407
Supercategoria:
Arqueologia
Categoria:
Ourivesaria
Denominação:
Conta
Datação:
Calcolítico
Matéria:
Ouro
Técnica:
Ouro laminado por martelagem
Dimensões (cm):
espessura: 0,017; diâmetro: 1,8; comprimento: 2,1;
Descrição:
Conta tubular de ouro, lisa, formada por uma lâmina rectangular enrolada, sobrepondo-se e ajustando-se uma das margens à margem oposta, sem aplicação de solda.
Incorporação:
Doação - Pela viúva de Marques da Costa (dir M. Heleno).
Proveniência:
Gruta I do Casal do Pardo.
Origem / Historial:
*Forma de Protecção: classificação; Nível de Classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei nº 107/2001, de 8 de Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei nº 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; nº 19/2006; 18/07/2006* As grutas artificiais do Casal do Pardo, conjunto de quatro sepulcros usados entre o Neolítico final e o Calcolítico final, forneceram um espólio abundante e diversificado que inclui, para além de artefactos áureos (contas tubulares, Au 405 a Au 409 e a espiral Au 404) outros itens de prestígio como contas de pedras verdes, ídolos em calcário e cerâmica campaniforme. Foram exploradas no final do século passado ( 1876-1878 ) sob a direcção científica de Carlos Ribeiro, dos Serviços Geológicos de Portugal e, já no início deste século por Marques da Costa. Os achados em ouro atribuem-se à ocupação campaniforme da necrópole.

Título

Local

Data Início

Encerramento

N.º Catálogo

Tesouros da Arqueologia Portuguesa

Museu Nacional de Arqueologia

1980-11-28

 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica