MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 23 de janeiro de 2022    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arqueologia
N.º de Inventário:
Au 505
Supercategoria:
Arqueologia
Categoria:
Ourivesaria
Denominação:
Aplicação discoidal
Datação:
Idade do Bronze Médio
Matéria:
Ouro
Técnica:
Ouro laminado por martelagem, repuxado e perfurado
Dimensões (cm):
diâmetro: 4,9;
Descrição:
Aplicação discoidal laminar com decoração geométrica repuxada, constituída por sete estrias circulares concêntricas que ocupam toda a superfície, cinco espaçadas igualmente entre si e a sexta e sétimas, ligeiramente distanciadas das restantes, circunscrevendo dois orifícios dispostos sobre o eixo médio. O reverso apresenta-se com uma textura ligeira resultante da martelagem, e com rebarbas, em resultado da abertura dos orifícios. (Segundo ficha de Catálogo de Ourivesaria do MNA).
Incorporação:
Compra - A Arnaldina Neves, Rio Tinto
Proveniência:
Cabeceiras de Basto.
Origem / Historial:
*Forma de Protecção: classificação; Nível de Classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei nº 107/2001, de 8 de Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei nº 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; nº 19/2006; 18/07/2006* Desconhecendo-se a história do achado, mas sendo evidente as semelhanças, quer técnicas quer decorativas, entre a lúnula e as aplicações discoidais de Cabeceiras de Basto, admite-se por tradição que fazem parte de um mesmo conjunto. Em 1930 as peças encontravam-se na posse de Serafim de Sousa Neves, de Viana. Aquisição a Arnaldina Neves, de Rio Tinto, em 1955 (dir. M. Heleno)
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica