MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sexta-feira, 22 de novembro de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arqueologia
N.º de Inventário:
17035
Supercategoria:
Arqueologia
Categoria:
Cerâmica
Denominação:
Jarra de cerâmica vidrada
Datação:
XV d.C. - XVI d.C. - Idade Média - Contexto Islâmico
Matéria:
Cerâmica
Técnica:
Torno e moldagem à mão
Dimensões (cm):
altura: max.: 11; espessura: 0,4 - 0,5; diâmetro: base: 8,5;
Descrição:
Jarra de cerâmica coberta em ambas as faces de esmalte branco leitoso e brilhante, tendo uma parte da superfície manchas escorridas de cor verde. A jarra incompleta de que existem dois fragmentos, apresenta base côncava com pé anelar terminado em aba, bojo ovóide com bordo boleado ligeiramente extravasado, duas asas opostas percorridas por três linhas incisas colocadas verticalmente em forma de S. Na base são visíveis vestígios de apoio no forno. Decorada com caneluras. Duas caneluras paralelas entre si e ao bordo na altura da asa e uma canelura em aba saliente junto do pé. Pasta de tonalidade rosada, homogénea e bem depurada. Contém poucos elementos não plásticos de grão fino. O revestimento de ambas as faces de esmalte branco leitoso e brilhante em contraste com uma parte de superfície coberta com esmalte verde escorrido apresenta o mesmo efeito cromático das taças carenadas e pratos com ônfalo, produzidos nos sécs. XV e XVI. Essas cerâmicas situam-se no contexto da continuidade das tradições de olaria islâmica no que diz respeito a formas, embora com algumas alterações, e técnicas. O pé em anel desta jarra aproxima-se à forma dos pés em anel que apresentam as taças do mesmo grupo. Igualmente a pasta apresenta semelhança com as pastas claras beige e beige rosadas, homogéneas e bem depuradas que caracterizam os já referidos pratos com ônfalo ou taças carenadas.
Incorporação:
Outro - Acervo do Museu Archeologico do Algarve (1880-1881)
Proveniência:
Bensafrim
Origem / Historial:
Estácio da Veiga efectuou escavações arqueológicas na aldeia de Bensafrim, nas ruas da Igreja e de Santo António. Pôs a descoberto silos num dos quais recolheu esta peça, que fez parte do Museu do Algarve.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica