MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quarta-feira, 29 de junho de 2022    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Etnologia
N.º de Inventário:
AK.921
Supercategoria:
Etnologia
Categoria:
Ritual
Denominação:
Escultura
Autor:
Desconhecido
Local de Execução:
Guiné-Bissau, Ilha de Caraxe, Binta
Grupo Cultural:
Bijagós
Datação:
XX d.C.
Matéria:
Madeira, vestígios sacrificiais.
Dimensões (cm):
altura: 47;
Descrição:
Escultura em madeira com representação estilizada de figura humana, com corpo paralelepipédico, pescoço alto recoberto por frisos circulares, rosto triangular, testa alta, nariz direito e comprido. Na cabeça, encontra-se um barretinho ao jeito de um solidéu. O tronco apoia sobre uma base, redonda e chanfrada com uma canelura a meio, recoberta de um engobo e resíduos sacrificiais.
Incorporação:
Compra
Proveniência:
Guiné-Bissau, Ilha de Caraxe, Binta.
Origem / Historial:
Figura de culto e homenagem aos antepassados. «No arquipélago dos Bijagós, a palavra crioula Irã refere-se a qualquer objeto natural ou feito pelo homem que contém energia sagrada benéfica ou maléfica. O termo é, assim, aplicado, por exemplo, às folhas de palmeira que assinalam a entrada do recinto iniciático, ao chifre de um bode selvagem contendo plantas de odor forte contra as cobras e ao Grande Espírito da Aldeia, bem como aos espíritos filiais. (...) Este objeto não apresenta a mesma aparência em todas as ilhas. Em Bubaque, Canhabaque, Caravela e Carache, é antropomórfica, mas, noutras ilhas, é uma amálgama sagrada dentro de uma bacia de esmalte colocada no altar do templo ou, por vezes, dividida e metida em grandes conchas marinhas. (...) a função de um Irã pode, por vezes, prestar-se a confusões, pois uma pessoa pode encomendar uma escultura que se assemelha ao Grande Espírito da aldeia para uso particular e guardá-la em casa, ou numa cabana de palha, para veneração. Em contraste, presta-se homenagem ao verdadeiro Grande Espírito no espaçoso santuário circular frequentado por todos os aldeões e guardado à noite pela sacerdotisa que mantém o fogo. Hoje em dia, o Grande Espírito pode também ser guardado na casa do rei, onde há menos possibilidade de ser roubada. As esculturas mais antigas do Grande Espírito vistas hoje em templos, variam segundo a região geográfica.» (DUQUETTE, Danielle Gallois - "Introdução aos Bijagós da Guiné-Bissau". In HERREMAN, Frank (ed.) - Na Presença dos Espíritos: arte africana do Museu Nacional de Etnologia. Lisboa, Nova Iorque: Museum of African Art, 2000)
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica