MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

   
     
   
Brilho e sombra na joalharia setecentista
Museu Nacional do Traje e da Moda



Apresentação

 

As “minas novas” nas colecções de acessórios e joalharia do Museu Nacional do Traje

Em 2017, o Museu Nacional do Traje aceitou o convite do Gabinete de Estudos Olisiponenses para participar no projecto “Testemunhos da Escravatura. Memória Africana”, integrado na Capital Ibero-Americana de Cultura Lisboa 2017.

Deste desafio resultou a selecção e exposição de um conjunto de acessórios de traje e de joalharia setecentista. Estas peças decoradas com “minas novas”, de que se destacam fivelas e botões, testemunham materialmente a utilização do trabalho escravo na exploração mineira.

A designação “mina nova” é o termo vulgar para identificar uma pedra incolor amplamente utilizada na joalharia portuguesa da segunda metade do século XVIII e primeiro quartel do século XIX.

Esta pedra é originária do Brasil, provavelmente da localidade de Minas Novas no estado de Minas Gerais. De natureza mineralógica diversa, as gemas mais comumente identificadas como “minas novas” são o quartzo, o topázio, o berilo (água-marinha de tom pálido ou goshenite, incolor) e, por extensão, o vidro.

A participação de escravos africanos favoreceu a mineração e extracção de gemas em Minas Gerais no século XVIII e ainda hoje é discutido o papel que estes desempenharam com a sua experiência em actividades de mineração, juntamente com os técnicos mineradores europeus. Na realidade, os africanos vindos da Costa da Mina (Golfo da Guiné, actuais Gana, Togo, Benim e Nigéria) representavam, até ao início do século XIX, cerca de metade da mão-de-obra escrava presente nas minas.

A joalharia portuguesa beneficiou da abundância de pedras oriundas do Brasil que substituíam o diamante. O facto de serem menos dispendiosas, mais abundantes e de maiores dimensões constituiu motivação para a sua utilização e o próprio desenho das jóias acompanhou um maior uso das pedrarias encastoadas em metal, sobretudo prata.

No final do século XVIII, eram apreciadas jóias e acessórios mais uniformes na decoração, realçando-se o brilho e a cor de uma única gema, sendo disso exemplo as peças da colecção do Museu Nacional do Traje.

Xénia Flores Ribeiro

Este texto não foi escrito ao abrigo do acordo ortográfico.

imagem
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica