MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 29 de maio de 2022    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE ENTIDADE
Museu:
Denominação:
Meneses, Visconde de
Tipo:
Autor
Nascimento:
Porto, 04/04/1817
Óbito:
Lisboa, 05/05/1878
Biografia:
Filho do 1º Visconde de Menezes – fidalgo liberal que cursara leis em Coimbra e medicina na Universidade de Edimburgo – e de uma senhora inglesa, nasceu no Porto a 4 de Abril de 1817. Educado num ambiente aristocrático, estudou letras na Academia do Porto. Aos 16 anos alistou-se no exército, batendo-se por D. Maria II durante o cerco da cidade. A partir de 1834 passou a residir em Lisboa, onde recebeu as primeiras aulas de um pintor francês cuja identidade se desconhece. Foi aluno de António Manuel da Fonseca cujo ensino o desiludiu profundamente. Frequentou na recém-criada Academia de Belas Artes de Lisboa a “aula pública de modelo vivo”. Afirmando-se com alguma independência e determinação, expôs em 1834 na 2ª Trienal da Academia e na sua própria casa. Nesse ano pintou o primeiro de quatro auto-retratos que veio a realizar. Recomendado pelo Rei D. Fernando, amigo da família, e financiado por seu pai partiu para Itália em 1844, juntamente com F. Metrass. Em Roma foi discípulo de Friedrich Overbeck – pintor de visão poética e religiosa – que admirou profundamente. Sob a sua direcção pintou temas religiosos, copiou desenhos de Rafael e foi incentivado a visitar Florença. Depois de um momento de sedução pela pintura a fresco de temas religiosos, optou definitivamente pelo retrato, confidenciando em carta escrita de Itália a sua mãe “em ramo algum da Arte pode um verdadeiro gentleman apresentar-se melhor do que no retrato (…). Um homem vulgar, ainda que com talento trair-se-á sempre”. Com efeito a descrição e a elegância caracterizam os seus retratos. Entretanto copiou, entre outros, Ticiano, Tintoreto, Veronese, Guido Reni, Rembrandt; pintou do natural paisagens e cenas de costumes. Nos finais dos anos 40 viajou por França, Bélgica, Holanda e Inglaterra. Copiou de novo Rembrandt e Van Dyck. Em Londres, a par do convívio com os pré-rafaelitas, encontrou nos retratos de Reynolds, Gainsborough e principalmente Lawrence, lições de técnica e cor que assimilou juntamente com algum convencionalismo da pose e do cenário elegante, colhido também em Parias, na pintura de Rigaud e Winterhalter. Reencontrou-se com Metrass em Paris e juntos regressaram a Lisboa em 1850.Logo em 1851, desejosos de suscitar uma mudança no meio artístico, organizaram uma exposição colectiva. Meneses expôs quadros com cenas da vida popular e o “retrato do professor C. W. King” (Museu do Chiado), tela que introduziu a abordagem romântica na pintura de retrato em Portugal. Dentro deste espírito executou nos anos sessenta um notável retrato de sua mulher (Museu do Chiado) e mais tarde o retrato de sua filha (Museu Nacional de Soares dos Reis) – romântico na cor que se esfuma sem contornos rígidos, discreto na interpretação da figura digna e algo distante. Académico de Mérito e membro da Academia de Roma, 2º Visconde de Meneses por morte de seu pai em 1853, foi membro fundador e vice-presidente da Sociedade Promotora de Belas Artes. É como fidalgo Cavaleiro da Casa Real agraciado com medalhas e diversas condecorações que se auto-retrata pela última vez em 1869 (Museu Nacional de Soares dos Reis). Expôs na Promotora em 1862 e 1866 e em 1867 na Exposição Universal de Paris e em Madrid. Morreu em Lisboa a 5 de Maio de 1878.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica