MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contacts  separator  Help  separator  Links  separator  Site Map
 
Friday, December 03, 2021    INTRODUCTION    ORIENTED RESEARCH    ADVANCED RESEARCH    ONLINE EXHIBITIONS    INVENTORY GUIDELINES 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
ENTITY DETAILS
Museum:
Name:
Greno, Josefa Garcia Sáez
Type:
Autor
Birth:
Medina Sidonia, 00/00/1850
Death:
Lisboa, 27/01/1902
Biography:
Pintora de origem andaluza, Josefa Garcia Sáez Greno nasceu em Medina Sidonia em 1850 e faleceu em Lisboa em 1902. Filha do capitão-general José Garcia Sáez, falecido teria Josefa 3 anos e de Maria Seoane. Aos 14 ou 15 anos foi residir para a Coruña de onde sua mãe era natural e deveria ter cerca de 20 quando planeou conjuntamente com ela o regresso a Sevilha. Devido aos sobressaltos causados pelas guerras carlistas acabariam por fixar-se em Lisboa. Aqui, casaria com o pintor Adolfo Greno que tendo ganho o pensionato a levaria em segredo para Paris. Entretanto Greno perdeu-se na boémia parisiense e tudo leva a crer que ao longo dos anos se foi aperfeiçoando na vida de estúrdia. Provavelmente em 1879, Josefa apercebeu-se que teria que suportar economicamente a família e começou a aprender pintura. Em 1881 pousaram, por sugestão de Artur Loureiro, para Une soirée chez lui de Columbano. Em princípio a figura feminina que se encontra próxima do pianista deveria ser Josefa, mas todos os que observaram o quadro afirmavam que não se parecia nem com ela, nem com Maria Augusta Bordalo Pinheiro. A estreia de Josefa como pintora ocorreu na XIII Exposição da Sociedade Promotora de Belas-Artes inaugurada em 1884, em Lisboa. Apresentou-se, como era indispensável na época, como discípula de Adolfo Greno. As suas obras causaram enorme espanto discutindo-se «a surpresa Greno». Em 1886 participou na sexta exposição do Grupo do Leão e esteve presente de forma regular nos certames do Grémio Artístico. De facto, Josefa Greno causou sensação no meio artístico - vendia bem, recebia encomendas, foi distinguida com prémios, surgiam várias discípulas e discípulos. Na noite de 7 de Abril de 1901, Josefa disparou um tiro sobre o marido não o atingindo. Adolfo Greno parece não ter dado grande importância ao sucedido... Josefa participou ainda na Primeira Exposição da S.N.B.A. em 1901. Após vários anos de suplício não aguentou: na noite de 25 para 26 de Junho atingiu o marido com quatro tiros ficando o sucedido conhecido como «o horrível crime da Travessa de S. Mamede» ou como o «caso Greno» sendo alvo de vários folhetos de cordel. Teria dito: «Por ele me sacrifiquei e me fiz pintora… Trabalhei muito… até chegar à última pintura, que foi esta». Foi levada para o Aljube sendo transferida para Rilhafoles em 2 de Julho. Miguel Bombarda proibiu-lhe as visitas. Ninguém mais a tornou a ver com vida. Faleceu em 27 de Janeiro de 1902. Silva Amado notou na autópsia que o coração de Josefa tinha mais do dobro do peso e da medida de um coração feminino.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Terms & Conditions  separator  Credits