MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
terça-feira, 21 de setembro de 2021    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Palácio Nacional da Ajuda
N.º de Inventário:
Depósito do MNE
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Cascata de Tivoli
Autor:
Azeglio, Massimo Taparelli, marquês d' (1798-1866)
Datação:
1865 d.C.
Matéria:
Óleo
Suporte:
Tela
Dimensões (cm):
altura: 165; largura: 267;
Descrição:
No primeiro plano, ao centro, uma figura feminina, ao mesmo tempo que fia, guarda um pequeno rebanho de cabras e de ovelhas. No plano seguinte, também ao centro, vê-se a cascata, brotando de uma parte da arcaria de um edifício inserido nas ruínas de Tivoli. Despenha-se entre duas encostas, mais florestada a da esquerda, mais rochosa a da direita. Tudo sob um céu azul claro, manchado de algumas nuvens.
Incorporação:
Outro - Provável aquisição pelo Estado aos herdeiros de Nevada Stoody Hayes, nos anos 50 do século XX.
Origem / Historial:
A data que o quadro ostenta - 1865 - coincide com o ano da primeira viagem pela Europa realizada por D. Luís e D.ª Maria Pia e durante a qual visitaram Turim. É possível que, então, tenham contactado com o artista e adquirido a obra. Certo é que a pintura estava colocada na Antiga Sala do Bilhar, em 1889 e ainda lá permanecia em 1897 (listas de partilhas de 1889 e 1897). Do mesmo modo, o Arrolamento Judicial indica-nos que, em 1911-1912, ainda aí permanecia. A obra, por morte de D. Luís, foi herdada pelo Infante D. Afonso. Morto este em 1920, passou para a posse da viúva, Nevada Stoody Hayes que, contudo, não a levou consigo. Na verdade, o quadro estava na Ajuda nos anos 50 do século XX, tendo sido depositado, pelo período de um ano, no Ministério dos Negócios Estrangeiros. Foi igualmente nessa década que vieram a Lisboa os representantes legais dos herdeiros de Nevada Hayes, para reclamar o que faltava da sua herança. Foi então, com toda a probabilidade, que o Estado Português lhes comprou a pintura. Já em 2010, através de uma permuta de depósitos entre o Palácio Nacional da Ajuda e o Ministério dos Negócios Estrangeiros, foi possível fazer regressar ao Palácio a obra, que foi ocupar o "seu" lugar na Sala Antiga do Bilhar.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica