MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sábado, 26 de setembro de 2020    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Palácio Nacional da Ajuda
N.º de Inventário:
Depósito do MNE
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Cascata de Tivoli
Autor:
Azeglio, Massimo Taparelli, marquês d' (1798-1866)
Datação:
1865 d.C.
Matéria:
Óleo
Suporte:
Tela
Dimensões (cm):
altura: 165; largura: 267;
Descrição:
No primeiro plano, ao centro, uma figura feminina, ao mesmo tempo que fia, guarda um pequeno rebanho de cabras e de ovelhas. No plano seguinte, também ao centro, vê-se a cascata, brotando de uma parte da arcaria de um edifício inserido nas ruínas de Tivoli. Despenha-se entre duas encostas, mais florestada a da esquerda, mais rochosa a da direita. Tudo sob um céu azul claro, manchado de algumas nuvens.
Incorporação:
Outro - Provável aquisição pelo Estado aos herdeiros de Nevada Stoody Hayes, nos anos 50 do século XX.
Origem / Historial:
A data que o quadro ostenta - 1865 - coincide com o ano da primeira viagem pela Europa realizada por D. Luís e D.ª Maria Pia e durante a qual visitaram Turim. É possível que, então, tenham contactado com o artista e adquirido a obra. Certo é que a pintura estava colocada na Antiga Sala do Bilhar, em 1889 e ainda lá permanecia em 1897 (listas de partilhas de 1889 e 1897). Do mesmo modo, o Arrolamento Judicial indica-nos que, em 1911-1912, ainda aí permanecia. A obra, por morte de D. Luís, foi herdada pelo Infante D. Afonso. Morto este em 1920, passou para a posse da viúva, Nevada Stoody Hayes que, contudo, não a levou consigo. Na verdade, o quadro estava na Ajuda nos anos 50 do século XX, tendo sido depositado, pelo período de um ano, no Ministério dos Negócios Estrangeiros. Foi igualmente nessa década que vieram a Lisboa os representantes legais dos herdeiros de Nevada Hayes, para reclamar o que faltava da sua herança. Foi então, com toda a probabilidade, que o Estado Português lhes comprou a pintura. Já em 2010, através de uma permuta de depósitos entre o Palácio Nacional da Ajuda e o Ministério dos Negócios Estrangeiros, foi possível fazer regressar ao Palácio a obra, que foi ocupar o "seu" lugar na Sala Antiga do Bilhar.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica