MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 20 de janeiro de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu de Lamego
N.º de Inventário:
14
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Criação dos Animais
Autor:
Fernandes, Vasco (Viseu 1475-1480 - Tomar 1542)
Local de Execução:
Lamego
Centro de Fabrico:
Lamego
Oficina / Fabricante:
Viseu
Datação:
1506 d.C. - 1511 d.C. - Renascimento
Matéria:
Óleo
Suporte:
Madeira de castanho
Dimensões (cm):
altura: 174; largura: 92;
Descrição:
Na fiada superior, que incluía, segundo a versão do Génesis, os seis dias da Criação, integra-se este belo painel que corresponde ao sexto dia: "Et fecit Deus bestias tarrae juxta species suas, et jumenta, et omne reptile terrae in genere suo. Et videt Deus quod esset bonum"(Beresith, I,25) A primeira sensação diante desta obra é a da integridade entre o Criador e os animais acabados de formar. O Padre Eterno aparece em primeiro plano, como figura vigorosa, ocupando grande espaço da composição, com os atributos de máxima majestade - a coroa imperial e o manto que num vermelho muito expressivo parece esvoaçar. Contudo, é figurado como um homem real, que poderia ser um serrano da região, mostrando o seu grande pé descalço assente na terra. Deus olha com amor, levantando as mãos à altura do peito em gesto de criação e benção. "Em primeiro plano aparece um cavalinho branco, com as patas de frente flectidas. Ao lado, um pouco mais discretos, encontram-se um boi, um cordeiro, um lobo e um porco. Mais longe num fundo de floresta distinguem-se diversas aves e um veado, um elefante e um unicórnio. A teatralidade da figura do Padre Eterno é acentuada pela coroa, pelo pé suspenso e pelo longo manto, que num vermelho muito expressivo se agita, realçando, também, a linha diagonal da composição. As formas vigorosas, pese embora alguns erros de desenho no cavalo em primeiro plano, a desenvoltura plástica na conquista do espaço ou na modelação do manto, o extraordinário efeito lumínico do fundo, onde se recorta num tratamento delicado a vegetação, são no conjunto aspectos bem reveladores dos recursos técnicos do jovem Vasco, numa fase precoce da sua longa actividade." (Rodrigues, 1992)
Incorporação:
Transferência - Capela-mor da Sé de Lamego (até ao século XVIII); Sala do Capítulo da mesma Sé (até 1912).
Origem / Historial:
*Forma de Protecção: classificação; Nível de classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; N.º19/2006; 18/07/2006* Segundo documento encontrado por Vergílio Correia na Torre do Tombo, este painel fazia parte de um políptico para a capela-mor da Sé de Lamego, encomendado pelo Bispo de Lamego, D. João de Madureira (1503-1511), ao pintor viseense Vasco Fernandes. O primeiro contrato foi firmado em Lamego a 4 de Maio de 1506, ficando o retábulo concluído em 1511. Apesar de restarem apenas cinco painéis de um conjunto inicial de 20, o segundo contrato (o primeiro mencionava um número menor de painéis), lavrado a 4 de Setembro de 1506, estipulava que Vasco Fernandes devia executar um retábulo constituído por um conjunto de 20 painéis pintados, que seria composto por esta ordem: dois painéis ao centro, figurando o de cima Deus Pai com o globo na mão e rodeado de anjos, e o de baixo, a Virgem, sentada, com o Menino ao colo; em três fieiras com três quadros de cada lado, cenas da Criação do Mundo, da Criação de Adão, Infância de Jesus, desde a Anunciação até à Apresentação no Templo. Também da sua responsabilidade seria a estrutura arquitectónica em talha, bem como so diversos pormenores de acabamento. Forma, dimensões, programa iconográfico, marcenaria, preço e condições de pagamento foram rigorosamente indicados pelo exigente Bispo. O retábulo manteve-se no local para que foi destinado até que obras realizadas no séc. XVIII o fizeram apear e desmembrar. Diz Vergílio Correia que "durante dois séculos o políptico permaneceu armado na capela maior da Sé, até que as obras realizadas no segundo quartel do século XVIII atiraram a maior parte das tábuas desligadas para destinos incertos. Algumas sériam oferecidas a igrejas pobres, outras queimadas por imorais. O século de setecentos não compreendia já as ingenuidades dos primitivos e a série da "Criação de Adão", vista de perto com os seus nus flagrantes, deveria indignar ou fazer estoirar de riso o cabido em claustro pleno" (Correia, 1942). "Na verdade, já em 1639 as "Constituições Sinodais do Bispado de Lamego", na esteira de toda a legislação congénere posterior ao Concílio de Trento, haviam a "decência" das obras de arte do interior dos templos, ordenando aos visitadores que mandassem destruir ou reformar os espécimes em que tal não se verificasse" (Gonçalves, 1990) Em 1910 encontravam-se os painéis na Sala do Capítulo, mas dos vinte painéis iniciais, apenas cinco se viriam a salvar. Nos "Autos de Arrolamento da Comissão Concelhia de Inventário", relativos à Fábrica da Sé, realizados em 1911, o quadro é mencionado no nº 812: "Um quadro em madeira, de bastante valor, representando São Canuto, tendo um metro de largura e um metro e oitenta e quatro de altura." Em 1912 passam para o edifício do antigo Paço Episcopal, sendo incorporados na colecção do Museu de Arte e Arqueologia criado em 1917, actual Museu de Lamego. Segue-se cronologia apresentada no relatório do tratamento efectuado nos 5 painéis pela empresa Arterestauro em 2002. "1511- Fica terminado o retábulo; 1651 - data a que foi sujeito a uma intervenção "que por antigo necessita de reparo"; 1656 - foi pintada a capela-mor; séc. XVIII - o interior da Sé foi reformado; 1881 - quatro dos cinco painéis encontram-se expostos na sala do Capítulo da mesma Sé; 1919 a 1923 - Luciano Freire tratou os cinco painéis, mencionando que na Anunciação, Visitação e Circuncisão, o seu estado de conservação "era deplorável por estarem repintados na sua quase totalidade e terem a tinta caída em muitos pontos"; 1940 a 1955 - Fernando Mardel tratou os painéis com a representação Criação dos Animais, Circuncisão e Apresentação no Templo; 1983 - Os painéis Anunciação e Circuncisão são tratados no Instituto José de Figueiredo; 2001 - o painel com a representação Criação dos Animais é verificado o seu estado de conservação pela Arterestauro." 2002 - a mesma empresa procede ao tratamento deste painel."
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica