MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
terça-feira, 7 de dezembro de 2021    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu da Música
N.º de Inventário:
MNM 0266
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Instrumentos musicais
Denominação:
Flauta Transversal
Local de Execução:
Portugal
Centro de Fabrico:
Portugal
Datação:
XIX d.C.
Matéria:
Tubo do instrumento: ébano Chaves: prata Rolha de afinação: ébano e marfim Anéis: marfim
Dimensões (cm):
diâmetro: 1=23.6;2=14.8;3=12.1;4=13.9; comprimento: C=620;c=546;
Descrição:
Aerofone de aresta, sem canal: seis orifícios para os dedos;sete chaves:Mib, fá transversal, Fá, Sol# transversal, sib, dó, dó#, fundamental relativa:ré3 Corpo de quatro peças em ébano;guarnições e virolas em prata, chaves em prata, de tampas redondas e bombeadas, montadas em balaústres sobre placas do mesmo metal. Número de Chaves: 6 Descrição e Identificação das chaves: Pé; ré# Pé cambiável: não localizado Corpo secção inferior; fá e longa de fá Corpo secção superior; sol#, síb e dó Técnica de fixação da chave: cavalete e eixo montado em balaustre de metal Forma do tampo da chave: redondo Número de secções: 4 Tubo: cónico Aspectos relevantes: aplicação da chave longa de fá
Incorporação:
Outro - -
Origem / Historial:
A flauta é um instrumento de sopro, de madeira ou metal, cuja origem remonta à Antiguidade. Nos tempos modernos, formou duas famílias: a família das flautas de bisel e a família das flautas travessas. A flauta travessa, de origem oriental, é também muito utilizada durante a Idade Média. O seu nome faz referência à posição transversal em que é tocada. Em latim foram denominadas fistulas germanicas ou helveticas. Originariamente construídas de madeira, sendo na actualidade de metal, o seu som agudo, puro e doce, não as deixa passar despercebidas no meio da massa sonora da orquestra e todos os grandes compositores contam com elas nas suas obras. O primeiro compositor a introduzir a flauta transversal na música orquestral terá sido Lully. Compositores como Bach e Haendel indicam especificamente o uso deste tipo de flauta em algumas das suas obras. De Haydn em diante, salvo indicação contrária, a indicação de flauta refere-se à flauta transversal. Acusticamente, a flauta é um tubo aberto em que o som é produzido soprando ar contra a aresta de um orifício transversal à abertura dos lábios. A forma interior do tubo variou ao longo da História do instrumento. No século XVI e XVII o tubo tinha uma forma interior cilíndrica, com seis orifícios e sem chaves. O século XVIII viu surgir, por influência de Hotteterre e Quantz, a flauta de uma chave com tubo cónico invertido. Ainda durante o século XVIII começam a aparecer, sobretudo em Inglaterra, flautas com seis chaves que permitiam já descer até ao dó central. No início do século XIX desenvolvem-se as flautas com sete e oito chaves, mantendo ainda o tubo cónico invertido. Foi este modelo de flauta o utilizado pela grande escola de virtuosos ingleses do princípio do séc. XIX e que continuou a ser fabricado, paralelamente a outros modelos, até à primeira década do séc. XX. Theobald Boehm, em 1832, apresenta o seu novo modelo de flauta, com uma mecânica de anéis (ou anilhas) mas ainda com tubo cónico invertido. Foi o mesmo Boehm que, em 1847, aperfeiçando a mecânica da flauta de 1832 e restaurando o tubo cilíndrico, criou a flauta tal como a conhecemos hoje em dia..
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica