MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quarta-feira, 17 de abril de 2024    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional Soares dos Reis
N.º de Inventário:
169 Obj Arq CMP/ MNSR
Supercategoria:
Arqueologia
Categoria:
Escultura
Denominação:
Estatueta funerária
Autor:
Desconhecido
Local de Execução:
Egipto
Datação:
VI a.C. - Época Baixa - da XVI dinastia
Matéria:
Faiança verde
Dimensões (cm):
altura: 14,5; largura: 3,4;
Descrição:
Estatueta funerária (chauabti ou uchebti) do funcionário Djedhor, filho de Renpetnefert. Figura mumiforme de excelente feitura, com membros não individualizados e bons detalhes em relevo: mãos cruzadas à frente segurando alvião e sacho, corda, cabeleira tripartida estriada, pêra entrançada, detalhes do rosto expressivos e delicados, exibindo o tradicional "sorriso saíta" da época. Atrás tem saco reticulado sobre o ombro esquerdo, pilar dorsal e base quadrangular. Tem inscrição hieroglífica em dez linhas horizontais.
Incorporação:
Depósito da Câmara Municipal do Porto no MNSR
Origem / Historial:
O coleccionador João Allen, à semelhança de muitos seus contemporâneos, deixou-se fascinar pela ideia do "grand tour" que incluía as ruínas de Herculano e Pompeia. Entre Setembro de 1826 e Maio de 1827 vindo de Paris viajou por Itália. Em Janeiro de 1828 envia do Porto ao seu correspondente em Roma uma carta de que nos resta o rascunho na qual menciona algumas das suas aquisições: "Como as coisas de Nápoles pesem é que eu tenho sido o mais mal sucedido possível […] pois que os 3 caixões que deixei ao seu cuidado fizesse (?) terem ficado no maior abandono o que de basta sinto principalmente pela Colecção de Minerais do Vesúvio que era muito completa e que pelo [que] passa tem andado aos trambolhões achando-se numa canastra aberta e ao deus dará em lugar do caixão bem acondicionado em que vinham, e também pelo que trazia alguns pequenos vasos antigos e medalhas de cobre gregas e romanas […]" Rascunho da carta enviada por João Allen ao seu correspondente em Roma, Jorge Heuzon, datado do Porto, a 8 de Janeiro de 1828, A.D.P.: PSS JÁ, Mç. 1, segundo SANTOS (p. 77 e 199) (V. bib.). Estas encomendas deverão ser as que já numa carta de Setembro de 1827 Jorge Heuzon refere nos seguintes termos: "[…] por motivo de Saúde não podia eu satisfazer aos desejos de V. S.ª lhe serem remettidos p.ª essa: Finalmente havendo o Expedicioneiro Trebby segundo o costume de todos os Mercantes de objectos d'artes sahido de Roma por não terem q. fazer até a estação em q. esperão os Estrangeiros, não podia eu também neste particular cumprir com as ordens de V. S.ª respeito a noticia q. V. S.ª procurava sobre o destino dos objectos q. deixou a Cargo do mesmo Expedicioneiro p.ª serem enviados p.ª Portugal […]" Carta de Jorge Heuzon, enviada de Roma a João Allen datada de 29 de Setembro de 1827, A.D.P.: PSS JÁ, Mç. 1, segundo SANTOS (p. 196) (V. bib.). O Inventário do Museu Allen realizado em 1849 por Joaquim de Santa Clara Sousa Pinto, José Vitorino Damásio e José António de Aguiar, organizado segundo o lugar que os objectos ocupam no edifício do Museu Allen, menciona na 2ª sala mostrador do meio, divisão esquerda ”Vários ídolos, figuras, etc.; Egypcias, etc. (…)”. (A.H.M.P.): 1178, Inventário de História Natural e Curiosidades pertencentes ao Museu Allen, por Joaquim de Santa Clara Sousa Pinto, José Vitorino Damásio e José António Aguiar, datado de 1 de Outubro de 1849. (Segundo Santos, 2005, p. 217). Não há notícia de que Allen tenha alguma vez visitado o Egipto. Roma foi, sobretudo na primeira metade do Século XIX, um importante mercado antiquário, alimentado pela espoliação algo selvagem das escavações no Egipto. É pois possível que J. Allen tenha adquirido a sua colecção egípcia em Roma durante a viagem de 1826-27. A colecção Allen foi adquirida pela Câmara Municipal do Porto em 1850 de onde resultou a constituição do Museu Municipal do Porto. Após a extinção deste em 1937 o seu acervo é depositado no então criado Museu Nacional de Soares dos Reis.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica