MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 5 de dezembro de 2021    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional Soares dos Reis
N.º de Inventário:
104/ 79 Pin MNSR
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Título:
Rua de Capri (estudo)
Datação:
1882 d.C.
Suporte:
Madeira
Técnica:
Óleo
Dimensões (cm):
altura: 36,5; largura: 16;
Descrição:
Aspecto de uma rua de Capri, um beco estreito que leva a uma curva do caminho, em ângulo recto para a direita, e a uma casa de dois pisos com varanda, vista em frente. As paredes frontal e laterais, correspondentes a muros e casas, ocupam grande parte do espaço da composição e nelas domina uma coloração de ocres e castanhos dourados. Esta predominância cromática é um aspecto distintivo desta obra em relação ao conjunto das oito pinturas com representações de ruas e trechos de Capri que têm em comum, além do local e data de execução, a natureza e a dimensão do suporte. As modelações da côr e da luz que simulam as irregularidades das paredes são trabalhadas em pinceladas largas e espessas. A luz incidente que provém do lado direito marca um contraste entre a ampla área iluminada, em que a luz doura a côr, e a parede escurecida do lado direito seguida da sombra projectada na metade direita do caminho. Na zona de sombra, estão representadas duas figuras de criança, uma de pé, vista de frente, que veste camisa vermelha sob colete, e a outra sentada, vista de perfil, com um amplo chapéu na cabeça. A janela de sacada e a varanda da casa frontal assumem um papel relevante na composição pela introdução de cores que contrastam com o tom predominante, nomeadamente o verde claro e luminoso da janela. É ainda de salientar o desenho da janela, das grades e dos ramos das plantas em vaso, pela particular atenção ao pormenor, trabalhado com um pincel muito fino. O limite superior da composição é preenchido por um céu de azul intenso, em claro contraste com os tons terra predominantes.
Incorporação:
Outro - Fundo Antigo do Museu. Proveniente da Escola de Belas Artes do Porto (antiga Academia de Belas Artes do Porto)
Origem / Historial:
Após a morte de Henrique Pousão, em 25 Março de 1884, o seu pai, o juiz Francisco Augusto Nunes Pousão, a exercer funções em Odemira, reuniu toda a obra do artista que se encontrava dispersa entre familiares e amigos, mandou emoldurar todos os quadros que pode reunir, mais tarde foi transferido para Faro e levou consigo toda a obra que reunira. F. Fernandes Lopes escreve a esse propósito que Nunes Pousão “tinha tudo no seu escritório, cujas paredes estavam assim forradas com quadros do filho. Encontrava-se ali tudo o que fora a sua produção artística em Pintura, excepto naturalmente o que anteriormente enviara para a Academia do Porto ou teria sido vendido a raros particulares, que lhe haveriam feito encomendas, ou ainda de amigos ou pessoas de família a quem fizera ofertas…” V. em Bib. LOPES, Francisco Fernandes [1959], p. 98, 99. Após a morte do Juiz Nunes Pousão, em 2 de Agosto de 1888, em cumprimento da sua vontade, as obras foram entregues, pela viúva, à Academia Portuense de Belas Artes em cujo arquivo se guarda a relação sucinta de obras e objectos então entregues “Relação dos quadros, desenhos e mais objectos que faziam parte do espólio de Henrique Pousão.” AFBAUP. Uma lista mais detalhada seria posteriormente redigida na própria Academia AFBAUP Documento avulso, sem cota, e Correspondência para o Governo, 1837-1911 [130, 21 Set. 1889, fla. 50 v]. Pertence ao Fundo Antigo do Museu: o antigo Museu Portuense, criado em 1833, passa a ser tutelado por uma Comissão de professores da Academia de Belas Artes do Porto, a partir de 1839, e as duas instituições passaram a partilhar o mesmo espaço e tutela. Em 1932 é feita a partilha do acervo existente pelas duas instituições, o Museu Soares dos Reis (antigo Museu Portuense) e Escola de Belas Artes (antiga Academia): dessa divisão foi registada uma “Relação dos objectos existentes no Museu Soares dos Reis pertencentes ao Estado”, datada de 1 de Novembro de 1932 e firmada por João Marques da Silva e por Vasco Valente, respectivamente, director da Escola de Belas Artes e do Museu Soares dos Reis.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica