MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quinta-feira, 3 de dezembro de 2020    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu da Guarda
N.º de Inventário:
2790
Supercategoria:
Arqueologia
Categoria:
Epigrafia
Denominação:
Cipo funerário.
Local de Execução:
Portugal.
Centro de Fabrico:
Oficina regional e local.
Datação:
Romana
Matéria:
Granito.
Dimensões (cm):
altura: 164; largura: 59;
Descrição:
Cipo funerário romano de forma rectangular, fragmentado em duas partes. Sendo a parte superior e inferior um pouco mais largas do que a parte central. Na face frontal uma inscrição em quatro linhas: CORIAE ET PEINUCAE (nexo no A e E) TRITI . LILIAE PATER - F(acieudum) C(uravit) A Cória e a Peinuca, filhas de Tritio. O pai mandou fazer (esta memória). Por cima foi aberto um nicho e um templete de 30 cm de largura por 28 cm de altura. Este nicho como o encaixe para cruz existente na parte superior terão sido abertos quando o cipo foi transformado em "Alminha" no Séc. XVIII.
Incorporação:
Outro - Recolha pelo Museu da Guarda.
Proveniência:
Quinta da Rasa.
Origem / Historial:
Origem: Quinta da Rasa - freguesia de S. Miguel - Guarda. Originariamente o cipo Funerário estava situado na Quinta da Rasa, junto a uma estrada que cruzando o rio Diz, viria da Guarda e da Póvoa do Mileu com destino a Longroiva e Meda. Em 1986 o Dr. Inácio Vilar depois de iniciar um projecto urbanistico no local e na envolvente do cipo funerário, este foi retirado para o estaleiro das obras de Adriano Balaia. O Museu da Guarda após várias diligências e com o apoio do Serviço de Arqueologia da Zona Centro e da Cmara Municipal da Guarda e com a ajuda o empreiteiro Adriano Balaia recolhe o cipo para o Museu da Guarda em 1 de Abril de 1987. O cipo encontrava-se já partido em duas partes no estaleiro de Adriano Balaia.
Bibliografia

Bibliografia

ALARCÃO, Jorge de - Arqueologia da Serra da Estrela. Lisboa: Instituto Conservação Natureza, Dezembro de 1993, pág. 33-34

CURADO, Fernando Patricío - Epigrafia das Beiras. Viseu: Assembleia Distrital de Viseu, 4º Trimestre 1985, pág. -

Hispania Antiqua Epigraphica 1-3 nº. 234. Madrid: 1950-52, pág. -

JALHAY, Eugénio - Inscrições Romanas do Museu Regional da Guarda. Separata da Revista "Brotéria" Vol. L, fasc. 5; Subsidiada pela Câmara Municipal da Guarda; Lisboa 1950., pág. 13-14-15

PERESTRELO, Manuel Sabino G. - A Romanização na bacia do rio Côa: Parque Arqueológico Vale do Côa, 2003, pág. 44

VIVES - ILER nº. 6447, pág. -

 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica