MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sábado, 25 de maio de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Dr. Joaquim Manso
N.º de Inventário:
68 Pint.
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Título:
Recanto da Nazaré
Datação:
1925 d.C.
Suporte:
Contraplacado (ou tela?)
Técnica:
Óleo
Dimensões (cm):
altura: 30; largura: 40;
Descrição:
A pintura ilustra um recanto urbano da Nazaré, através do pincel da filha do célebre aguarelista Alfredo Roque Gameiro. Além da encosta do Promontório, observa-se o "paredão" (muro) e um conjunto arquitectónico típico, junto da Igreja de Santo António, destacando-se um edifício em tons de verde e outro em tons de rosa escuro. Algumas figuras humanas completam a composição, movimentando-se pela rua ou representando costumes tradicionais como o sentar-se nos "arrebates" (soleiras) da porta. Na metade esquerda da pintura, na praia, distribuem-se paus verticais (paus de barraca? ou para secar roupa?). A pintura encontra-se emoldurada (moldura de madeira, em tons esverdeados, com duplo "passepartout" - um verde e um creme) e com vidro.
Incorporação:
Doação - Oferta da artista, no processo de criação do Museu (cf. Recibo 155)
Origem / Historial:
A particularidade destas pinturas de início do século XX reside no seu aspecto documental, escolhendo vivências ou contextos paisagísticos da Nazaré, entretanto alterados. Mas, ao seu valor temático, alia-se o facto da Nazaré ter constituído motivo de atração para uma vasta comunidade artística, que aqui pôde desenvolver os seus gostos e experimentar técnicas, umas de registo mais naturalista e ingénuo, outras mais críticas ou modernistas. A Família Roque Gameiro veio amiúde à Nazaré e vários membros da família pintaram os seus "recantos", a faina piscatória e cenas da praia. Maria Emília Roque Gameiro, conhecida por Mamia, nasceu na Amadora, numa família ligada à arte. Filha do aguarelista Alfredo Roque Gameiro (Minde, 1864 - Lisboa, 1935), Mamia seguiu as pisadas do pai, tal como os restantes irmãos, embora cada um tenha definido um percurso individual. Estudou com a pintora Mily Possoz (1888-1967) e trabalhou a aguarela, guache e óleo. A Nazaré foi um dos seus temas, comprovando a importância desta vila piscatória como cenário de inspiração para os artistas portugueses e estrangeiros. Em 1919, expôs na Sociedade Nacional de Belas-Artes e, em 1923, realizou a sua primeira exposição individual. Distinguiu-se também como ilustradora de livros infantis e de publicações periódicas. É de realçar o seu trabalho como miniaturista, nomeadamente nas representações de histologia, no IPO, entre 1935 e 1940. Casou com o pintor Jaime Martins Barata (1899-1970), em 1926, também autor de várias aguarelas versando a Nazaré.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica