MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quinta-feira, 29 de setembro de 2022    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Dr. Joaquim Manso
N.º de Inventário:
944 Etn.
Supercategoria:
Etnologia
Categoria:
Meios de transporte
Denominação:
Barca de Armação Valenciana
Título:
Mimosa
Autor:
Oliveira, António do Carmo
Local de Execução:
Portugal: Nazaré
Oficina / Fabricante:
Oliveira, António do Carmo
Datação:
1912 d.C.
Matéria:
Madeira
Dimensões (cm):
comprimento: 980;
Descrição:
Embarcação de boca aberta, de quilha e coberta. Proa arredondada terminando em capelo e popa sem painel. Ao longo do costado, dois verdugos separados entre si. Apresenta à proa e à ré duas malaguetas de cada lado e dois cunhos, um paneiro à vante e outro à popa. Navega a remos (3 de cada lado) e possui 4 bancos. Pintada em faixas, branca e verde. A obra viva é preta. Em cada um dos lados da proa, sobre fundo branco e inscrito em rectângulo preto, o número de matrícula "N642 V" e um círculo vermelho. Num dos lados da popa, em letra vermelha, a denominação "MIMOSA"; no outro "NAZARÉ".
Incorporação:
Doação - Doado pela família de Cândido Rosa Rodrigues.
Proveniência:
Nazaré.
Origem / Historial:
Barca denominada "Mimosa", com o registo N 642 V. Destinava-se ao serviço das "Armações Valencianas", sistema complexo de captura de pescado, nomeadamente da sardinha, que exigia pelo menos quatro embarcações no mar, estrategicamente colocadas. A armação permanecia no mar o Verão todo, até Setembro. A “Mimosa” pertencia à armação denominada “Juncal”. Navegava a remos (três de cada lado) e a sua tripulação constava de 1 arrais, 16 companheiros e 1 moço. Segundo informações orais, também foi utilizada na pesca do "cerco americano" (Galeão). Esta embarcação foi registada na Capitania do Porto da Nazaré, pelo seu proprietário Cândido Rodrigues e Compª - Filhos, em 19 de Julho de 1912, na presença de António Gomes Branco Martins, capitão tenente da Armada e Capitão do Porto de Nazaré, e de Manuel Remigio, escrivão da mesma capitania, destinada a "serviço de armação valenciana". Fora comprada ao construtor naval António do Carmo Oliveira, no dia 15 de Julho de 1912, pela quantia de 170 mil réis (cf. Registo de propriedade). Em 1980, foi doada ao Museu Dr. Joaquim Manso pela família de Cândido Rosa Rodrigues, armadores na Nazaré durante largos anos. Antes da sua doação já se encontrava guardada "Há bastante tempo, numa dependência do estaleiro do construtor naval e calafate Senhor Fernando", na estrada da Foz (cf. "Relatório de Remoção duma barca de galeão, a "Mimosa", de grande calado, de 1910, trabalho efectuado pela Empresa da especialidade, Transgrua, Lda. de Lisboa", de 11 Agosto 1980, Arquivo do Museu Dr. Joaquim Manso). A partir de Agosto de 1980, foi colocada no areal da praia.
Registos Associados
Património Móvel
imagem
imagem
Entidades
imagem
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica