MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sexta-feira, 25 de setembro de 2020    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arte Antiga
N.º de Inventário:
13/53v. Ilum
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Livro de Horas
Título:
Ofício dos Mortos
Autor:
Oficina de Simon Bening
Oficina / Fabricante:
Oficina de Simão Bening
Datação:
1530 d.C. - 1534 d.C.
Suporte:
Pergaminho
Técnica:
Pintura a têmpera e ouro
Dimensões (cm):
altura: 13,3; largura: 9,8;
Descrição:
Fólio 53 verso. Este fólio é dedicado ao Ofício dos Mortos. A iluminura tem um enquadramento à maneira moldura, em tons de castanho e dourado, a imitar a madeira. No quadro principal, com o mesmo enquadramento, é representado um cerimonial fúnebre dentro de uma Igreja. Este edifício apresenta características arquitectónicas góticas. Na capela baixa, de ambos os lados, num cadeiral estão vários religiosos a orar, tendo cada um deles um livro. Em baixo, figuram outros vestidos também com roupas negras e um deles segura um livro. Junto ao cadeiral, uma estrutura a imitar o metal, serve de apoio a várias velas. Ao centro, a urna assenta numa eça rodeada de tochas. A urna é coberta por um tecido negro com as armas de Portugal. À frente um tocheiro com três velas acesas. Dos pilares que sustentam os arcos da nave central pendem bandeiras com o escudo português sobre fundo negro. Na zona em que foram colocadas as bandeiras assentam várias velas acesas. Ao fundo, o altar-mor. Este é revestido a madeira. No deambulatório, duas esculturas de cada lado. Na tarja esquerda, vê-se a fachada lateral da igreja e a representação de um cortejo fúnebre conduzido por uma bandeira e organizado por religiosos. Em baixo, talvez no adro da igreja, a cerimónia do enterro. Esta é assistida pelos familiares, sendo uma delas uma criança, vestidas de negro. Dois religiosos com pás nas mãos vão tapando a cova. Um sacerdote com uma alva branca, e com uma fita preta em aspa, sobre o tronco, preside à cerimónia. Ao seu lado, um acólito segura um livro e uma caldeira de água benta.
Incorporação:
Transferência - Palácio das Necessidades
Origem / Historial:
Este Livro de Horas é tradicionalmente atribuído à Oficina de Simão de Bening. Esta atribuição resulta dos estudos comparativos com outras obras realizadas por este iluminador, como o Breviário de Grimani (Biblioteca Marciana, Veneza). Quanto ao destinatário, alguns estudiosos relacionam este códice como uma oferta de Damião de Góis a D. Catarina, e outros como pertencente ao infante D. Fernando. Ambas as posições podem ser contestadas pela representação das Armas Reais Portuguesas no fólio 1v. Dagoberto Markl avança com a hipótese de se tratar de uma encomenda do próprio rei, D. João III. Segundo a inscrição no fólio 1v., a actual encadernação foi feita em Paris, em 1755. Este Livro de Horas, pertencente às Colecções Reais, foi transferido para o Museu Nacional de Arte Antiga, proveniente do Palácio das Necessidades, no arrolamento dos bens reais.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica