MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 22 de setembro de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arte Antiga
N.º de Inventário:
14/16 Ilum
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Livro de Horas
Título:
Calendário (mês de Agosto)
Autor:
António de Holanda, atribuído a
Datação:
1517 d.C. - 1551 d.C.
Suporte:
Pergaminho
Técnica:
Pintura a têmpera e ouro
Dimensões (cm):
altura: 14, 2; largura: 10, 8;
Descrição:
Fólio 16. Iluminura dedicada ao mês de Agosto. Neste fólio a iluminura de forma rectangular ocupa praticamente toda a folha do livro. Esta tem um enquadramento à maneira de moldura em tons de castanho e dourado com um envolvimento arquitectónico gótico no topo. Este enquadramento forma um segundo quadro dividido em três campos. No primeiro, e no mais estreito, termina o calendário do mês de Julho. O espaço é definido por linhas a sanguínea de modo a formar uma tabela com três colunas. Estas são preenchidas pelo: número áureo, letra dominical e pelos dias dos santos e das festividades litúrgicas. O texto é escrito em latim, com caracteres góticos e com uma letra regular a preto e vermelho. No quadro principal, três homens empilham os cereais com a ajuda de forquilhas, enquanto um outro os joeira. Do lado esquerdo, no chão, podemos ver uma cabaça, enquanto que no lado direito e pendurado numa árvore está um cantil. Um pouco mais atrás, observam-se dois carros de bois, alguns edifícios que poderiam servir para guardar o cereal e mais duas medas de trigo. No campo seguinte, inicia-se a representação do calendário do mês de Agosto. Este espaço é definido por linhas a sanguínea de modo a formar uma tabela com três colunas. Estas são preenchidas pelo: número áureo, letra dominical e pelos dias dos santos ou das festividades litúrgicas. O texto, com letra regular, é escrito em latim, com caracteres góticos a vermelho e preto. A inicial fitomórfica é pintada a rosa e cinzento, sobre um fundo quadrangular amarelo e ponteado a castanho. Nas tarjas, direita e esquerda, desenrola-se o transporte dos cereais em carros, tanto puxados por bois como por mulas. Na tarja da direita, vários patos debicam no chão e um porco preto parece também se alimenta, junto a casas cobertas de colmo. Na tarja de baixo, à direita, um carro de mulas está carregado de cereais. À esquerda, dois corvos poisam sobre duas rochas, enquanto que ao centro, um lagarto permanece impávido ao sol. Na tarja da esquerda, um homem amanha as terras e um outro circula montado num burro. Ao fundo vêm-se mais carros que transportam cereais.
Incorporação:
Transferência - Proveniente do Palácio das Necessidades
Origem / Historial:
A execução do Livro de Horas dito de D. Manuel prolongou-se por vários anos. Segundo o texto do fólio 1, ter-se-á iniciado em 1517, mas provavelmente só terá sido concluído após 1551, ano em que se procedeu à trasladação dos restos mortais do rei D. Manuel I, para o Mosteiro dos Jerónimos, durante o reinado de D. João III (Moura, 1999). Estudos mais recentes revelam a hipótese deste livro ter sido encomendado por Damião de Góis ao iluminador António de Holanda, residente, na época, em Portugal (Moura, 1999). Apesar da influência Ganto-Brugense, o Livro de Horas dito de D. Manuel caracteriza-se por uma iconografia com elementos portugueses que lhe confere originalidade relativamente a outros códices da mesma escola (Markl, 1983). Este Livro de Horas pertenceu às Colecções Reais, sabendo-se que esteve na posse de D. Fernando Saxe-Coburgo. Foi transferido do Palácio das Necessidades para o Museu Nacional de Arte Antiga, em 1915, no arrolamento dos bens reais.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica