MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quarta-feira, 26 de junho de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arte Antiga
N.º de Inventário:
1632 Pint
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Título:
Aparição de Cristo à Virgem
Autor:
Mestre de 1515
Datação:
1515 d.C.
Matéria:
Óleo
Suporte:
Madeira de carvalho
Técnica:
Pintura a óleo
Dimensões (cm):
altura: 203; largura: 203;
Descrição:
Esta pintura representa a cena bíblica do aparecimento de Cristo a Nossa Senhora após a Ressureição. A composição divide-se em duas partes distintas: o interior e o exterior. No primeiro, com pavimento de mosaico, pilastras de mármore encimadas por capitéis e parede rasgada por janelas de vitrais, Cristo de pé envolto num manto vermelho orlado a ouro, surge à Virgem que, ajoelhada e de mãos postas, veste manto azul e toucado branco. No espaço exterior, tendo como pano-de-fundo uma paisagem pontuada por torreões e uma cidade amuralhada, estão representados alguns Apóstolos, Adão e Eva. A data de 1515 surge inscrita numa cartela segura por um anjo em "grisaille" na base da coluna intermédia que separa as duas cenas.
Incorporação:
Outro - Transferência: Convento da Madre de Deus (Lisboa).
Origem / Historial:
Esta pintura forma, juntamente com a Assunção da Virgem, a Anunciação, a Ascensão de Cristo, a Adoração dos Reis Magos, a Adoração dos Pastores e o Pentecostes o conjunto retabular executado na oficina de Jorge Afonso para o Mosteiro da Madre de Deus em Lisboa. A data de realização da empreitada foi identificada por Luís Reis-Santos numa das tábuas que havia sido separada - Aparição de Cristo à Virgem - e posteriormente reutilizada para acrescento de outra composição. Esta prancha foi, precisamente, a que deu origem à famosa designação Mestre de 1515. Não se conhece a constituição original do retábulo encomendado pela rainha D. Leonor, a fundadora do cenóbio, e aos sete painéis geralmente tidos como fazendo parte integrante do conjunto, Dagoberto Markl e Fernando António Baptista Pereira aquando da tentativa de reconsitutição da obra propuseram a inclusão de São Francisco entregando os estatutos da Ordem a Santa Clara. Porém, continua em aberto o número de quadros que constituiriam o retábulo primitivo, assim como a sua disposição e dimensões originais, dado que algumas tábuas foram repintadas no final do século XVI e mais tarde adaptadas às molduras barrocas do coro alto. * Forma de Protecção: classificação; Nível de classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei n.º 107/2001, de 8 Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; N.º 19/2006; 18/07/2006 *
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica