MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 24 de março de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arte Antiga
N.º de Inventário:
1632 Pint
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Título:
Aparição de Cristo à Virgem
Autor:
Mestre de 1515
Datação:
1515 d.C.
Matéria:
Óleo
Suporte:
Madeira de carvalho
Técnica:
Pintura a óleo
Dimensões (cm):
altura: 203; largura: 203;
Descrição:
Esta pintura representa a cena bíblica do aparecimento de Cristo a Nossa Senhora após a Ressureição. A composição divide-se em duas partes distintas: o interior e o exterior. No primeiro, com pavimento de mosaico, pilastras de mármore encimadas por capitéis e parede rasgada por janelas de vitrais, Cristo de pé envolto num manto vermelho orlado a ouro, surge à Virgem que, ajoelhada e de mãos postas, veste manto azul e toucado branco. No espaço exterior, tendo como pano-de-fundo uma paisagem pontuada por torreões e uma cidade amuralhada, estão representados alguns Apóstolos, Adão e Eva. A data de 1515 surge inscrita numa cartela segura por um anjo em "grisaille" na base da coluna intermédia que separa as duas cenas.
Incorporação:
Outro - Transferência: Convento da Madre de Deus (Lisboa).
Origem / Historial:
Esta pintura forma, juntamente com a Assunção da Virgem, a Anunciação, a Ascensão de Cristo, a Adoração dos Reis Magos, a Adoração dos Pastores e o Pentecostes o conjunto retabular executado na oficina de Jorge Afonso para o Mosteiro da Madre de Deus em Lisboa. A data de realização da empreitada foi identificada por Luís Reis-Santos numa das tábuas que havia sido separada - Aparição de Cristo à Virgem - e posteriormente reutilizada para acrescento de outra composição. Esta prancha foi, precisamente, a que deu origem à famosa designação Mestre de 1515. Não se conhece a constituição original do retábulo encomendado pela rainha D. Leonor, a fundadora do cenóbio, e aos sete painéis geralmente tidos como fazendo parte integrante do conjunto, Dagoberto Markl e Fernando António Baptista Pereira aquando da tentativa de reconsitutição da obra propuseram a inclusão de São Francisco entregando os estatutos da Ordem a Santa Clara. Porém, continua em aberto o número de quadros que constituiriam o retábulo primitivo, assim como a sua disposição e dimensões originais, dado que algumas tábuas foram repintadas no final do século XVI e mais tarde adaptadas às molduras barrocas do coro alto. * Forma de Protecção: classificação; Nível de classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei n.º 107/2001, de 8 Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; N.º 19/2006; 18/07/2006 *
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica