MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 20 de janeiro de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arte Antiga
N.º de Inventário:
1277 Pint
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Tríptico de Morrisson
Título:
Tríptico - Virgem com o Menino e Anjos, São João Baptista e São João Evangelista
Autor:
Mestre do Tríptico Morrison
Datação:
1500 d.C. - 1510 d.C.
Matéria:
Óleo
Suporte:
Madeira de carvalho
Técnica:
Pintura a óleo
Dimensões (cm):
altura: 138 (central); 140 (laterais); largura: 98 (central); 45 (laterais);
Descrição:
No painel central surge representada a Virgem entronizada com o Menino num cenário paradisíaco, estando ladeados por São João Baptista, o maior dos Profetas (painel lateral esquerdo), e por São João, o maior dos Evangelistas (painel lateral direito), o que ilustra a máxima interpretação bíblica, de acordo com a qual o que um profetizou o outro mostrou cumprindo. Os enormes pés dos Santos seriam evocadores de uma passagem de Ísaias quando refere os belos pés do mensageiro que traz a boa nova. Voltando ao painel central, a pera que o Menino recebe de um anjo poderá ser lida como uma alusão à Árvore do Paraíso e ao Pecado Original que Jesus veio resgatar. Por fim, estamos perante inúmeras alusões à liturgia da missa, desde os temas sacrificiais do Antigo Testamento que podem ser observados nos capitéis (Abrãao e Isaac), até aos atributos dos dois santos: o cordeiro místico (a Paixão) e o cálice (Eucaristia).
Incorporação:
Outro - Transferência: Convento da Madre de Deus (Lisboa).
Origem / Historial:
O tríptico foi encontrado por José de Figueiredo em 1912 numa arrecadação do mosteiro da Madre de Deus, tendo sido imediatamente incorporado no Museu de Arte Antiga. Dois anos mais tarde foi alvo de um restauro da responsabilidade de Luciano Freire que o considerou como obra de um imitador de Memling. Em 1931 Figueiredo atribuíu-o ao Mestre do Tríptico de Morrison, algo que foi aceite pela generalidade dos estudiosos e críticos de arte até 1991, data em que Lievens de Waegh propôs de novo a autoria a um pintor do círculo de Memling.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica