MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
segunda-feira, 25 de março de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arte Antiga
N.º de Inventário:
1275 Pint
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Título:
Virgem das Dores
Autor:
Quentin Metsys
Datação:
1509 d.C. - 1511 d.C.
Matéria:
Óleo
Suporte:
Madeira de carvalho
Técnica:
Pintura a óleo
Dimensões (cm):
altura: 171,5; largura: 151;
Descrição:
Em primeiro plano, inserida numa paisagem arborizada e representada de corpo inteiro sentada sobre uma rocha, a Virgem chorosa e com as mãos postas surge envolta num amplo manto de vários tons de azul debroado com losangos e arabescos dourados, na base do qual se pode ler uma inscrição em latim. Uma grande espada de lâmina canelada trespassa-Lhe o peito.
Incorporação:
Outro - Transferência: Convento da Madre de Deus (Lisboa).
Origem / Historial:
Esta pintura faz parte do retábulo da igreja do Convento da Madre de Deus de Xabregas, em Lisboa. O altar primitivo deveria ser da invocação das Sete Dores de Maria, tendo ainda tábuas evocativas da "Apresentação no Templo", "Menino Jesus entre os Doutores", "Cristo a caminho do Calvário", "Cristo na Cruz, a Virgem e São João", "Lamentação depois do Enterro de Cristo" (todas no Museu Nacional de Arte Antiga) e "Repouso na Fuga para o Egito" (Museu de Worcester). Dado que o Convento foi fundado por D. Leonor, rainha viúva de D. João II e irmã do rei D. Manuel, em 1509, é de crer que a encomenda deste conjunto tenha sido efectuada imediatamente, havendo mesmo autores (Friedlander) que apontam como data da feitura dos quadros os anos anteriores a 1511. * Forma de Protecção: classificação; Nível de classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei n.º 107/2001, de 8 Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; N.º 19/2006; 18/07/2006 *
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica