MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 20 de janeiro de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arte Antiga
N.º de Inventário:
1275 Pint
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Título:
Virgem das Dores
Autor:
Quentin Metsys
Datação:
1509 d.C. - 1511 d.C.
Matéria:
Óleo
Suporte:
Madeira de carvalho
Técnica:
Pintura a óleo
Dimensões (cm):
altura: 171,5; largura: 151;
Descrição:
Em primeiro plano, inserida numa paisagem arborizada e representada de corpo inteiro sentada sobre uma rocha, a Virgem chorosa e com as mãos postas surge envolta num amplo manto de vários tons de azul debroado com losangos e arabescos dourados, na base do qual se pode ler uma inscrição em latim. Uma grande espada de lâmina canelada trespassa-Lhe o peito.
Incorporação:
Outro - Transferência: Convento da Madre de Deus (Lisboa).
Origem / Historial:
Esta pintura faz parte do retábulo da igreja do Convento da Madre de Deus de Xabregas, em Lisboa. O altar primitivo deveria ser da invocação das Sete Dores de Maria, tendo ainda tábuas evocativas da "Apresentação no Templo", "Menino Jesus entre os Doutores", "Cristo a caminho do Calvário", "Cristo na Cruz, a Virgem e São João", "Lamentação depois do Enterro de Cristo" (todas no Museu Nacional de Arte Antiga) e "Repouso na Fuga para o Egito" (Museu de Worcester). Dado que o Convento foi fundado por D. Leonor, rainha viúva de D. João II e irmã do rei D. Manuel, em 1509, é de crer que a encomenda deste conjunto tenha sido efectuada imediatamente, havendo mesmo autores (Friedlander) que apontam como data da feitura dos quadros os anos anteriores a 1511. * Forma de Protecção: classificação; Nível de classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei n.º 107/2001, de 8 Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; N.º 19/2006; 18/07/2006 *
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica