MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
terça-feira, 20 de novembro de 2018    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arte Antiga
N.º de Inventário:
1031 Pint
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Pregação de São João Baptista
Título:
Pregação de São João Baptista
Autor:
Diogo de Contreiras
Datação:
1554 d.C.
Matéria:
Óleo
Suporte:
Madeira de carvalho
Técnica:
Pintura a óleo sobre madeira de carvalho
Dimensões (cm):
altura: 133; largura: 159;
Descrição:
São João com os respectivos atributos - o cordeiro e o livro - prega a um conjunto de populares sentados no chão. No plano fundeiro pode-se observar uma multidão junto ao rio Jordão e um conjunto de sacerdotes judaicos. A linha ondulante do desenho e a paleta de cores denotam já a influência do maneirismo italiano no afastamento dos programas renascentistas e adopção de uma linguagem anti-classicizante.
Incorporação:
Outro - Transferência: Convento de São Bento de Castris (Évora).
Origem / Historial:
Luís Reis Santos aproximou esta pintura da obra de Gregório Lopes, propondo uma datação que medeia entre 1530 e 1540. Só recentemente se atribuíu o quadro a Diogo Contreiras, pintor com actividade documentada entre 1521 e 1560. Trata-se de uma pintura acabada em 1554 para um retábulo do convento das freiras cistercienses de Évora. Segundo Vítor Serrão, estamos perante um dos primeiros exemplos da adopção do maneirismo italianizante na arte portuguesa. * Forma de Protecção: classificação; Nível de classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei n.º 107/2001, de 8 Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; N.º 19/2006; 18/07/2006 *
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica