MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quinta-feira, 23 de maio de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arte Antiga
N.º de Inventário:
677 Pint
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Anunciação
Título:
Anunciação
Autor:
Frei Carlos
Oficina / Fabricante:
Oficina do Convento do Espinheiro (Évora)
Datação:
1523 d.C.
Matéria:
Óleo
Suporte:
Madeira de carvalho
Técnica:
Pintura a óleo
Dimensões (cm):
altura: 197,5; largura: 198;
Descrição:
São dois os registos que marcam a organização espacial do quadro: no primeiro, à direita da composição, o Anjo e a pomba do Espírito Santo pairam no interior de um compartimento onde se encontra a Virgem Maria ajoelhada no chão diante de um altar. No segundo registo, três anjos músicos cantam e tangem em louvor da Virgem. A cena decorre no exterior, sob um pórtico renascentista, podendo-se vislumbrar ao longe uma paisagem com casario e colinas verdejantes. A pintura é pautada pela luminosidade resultante da relação entre o espaço interior e exterior e pelo harmonioso jogo das linhas de força da composição na estruturação da arquitectura.
Incorporação:
Outro - Transferência: Convento do Espinheiro (Évora).
Origem / Historial:
Foi Cunha Taborda (1815), o primeiro a dar conta da localização desta tábua no Convento do Espinheiro, afirmando que se encontrava no altar da sacristia uma Anunciação "que tem muito merecimento". Contudo, e apesar do valor desta informação, não há provas de que tenha sido esse o seu local original. * Forma de Protecção: classificação; Nível de classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei n.º 107/2001, de 8 Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; N.º 19/2006; 18/07/2006 *
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica