MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 20 de janeiro de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arte Antiga
N.º de Inventário:
677 Pint
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Anunciação
Título:
Anunciação
Autor:
Frei Carlos
Oficina / Fabricante:
Oficina do Convento do Espinheiro (Évora)
Datação:
1523 d.C.
Matéria:
Óleo
Suporte:
Madeira de carvalho
Técnica:
Pintura a óleo
Dimensões (cm):
altura: 197,5; largura: 198;
Descrição:
São dois os registos que marcam a organização espacial do quadro: no primeiro, à direita da composição, o Anjo e a pomba do Espírito Santo pairam no interior de um compartimento onde se encontra a Virgem Maria ajoelhada no chão diante de um altar. No segundo registo, três anjos músicos cantam e tangem em louvor da Virgem. A cena decorre no exterior, sob um pórtico renascentista, podendo-se vislumbrar ao longe uma paisagem com casario e colinas verdejantes. A pintura é pautada pela luminosidade resultante da relação entre o espaço interior e exterior e pelo harmonioso jogo das linhas de força da composição na estruturação da arquitectura.
Incorporação:
Outro - Transferência: Convento do Espinheiro (Évora).
Origem / Historial:
Foi Cunha Taborda (1815), o primeiro a dar conta da localização desta tábua no Convento do Espinheiro, afirmando que se encontrava no altar da sacristia uma Anunciação "que tem muito merecimento". Contudo, e apesar do valor desta informação, não há provas de que tenha sido esse o seu local original. * Forma de Protecção: classificação; Nível de classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei n.º 107/2001, de 8 Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; N.º 19/2006; 18/07/2006 *
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica