MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 20 de agosto de 2017    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arte Antiga
N.º de Inventário:
432 Pint
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
O Inferno
Título:
O Inferno
Autor:
Desconhecido
Datação:
1505 d.C. - 1530 d.C.
Matéria:
Óleo
Suporte:
Madeira de carvalho
Técnica:
Pintura a óleo
Dimensões (cm):
altura: 119; largura: 217,5;
Descrição:
O "Inferno" ocupa um lugar à parte no conjunto da pintura portuguesa do século XVI pela iconografia nele contida. De facto, não se conhece nenhum outro quadro que represente de uma forma autónoma o tema do Inferno. Num espaço subterrâneo com uma abertura circular no canto superior direito de onde caem as almas, os condenados sofrem as penas correspondentes a cada um dos sete pecados mortais. Sentado num trono, o rei dos demónios preside a esta cena terrífica munido de uma enorme trompa e vestido como um índio brasileiro. Ao centro, dentro de um caldeirão com água a ferver, sofrem os invejosos, destacando-se um personagem - um frade franciscano -, por ser a única figura vestida e sem sinais de sofrimento. Em torno do caldeirão agrupam-se os outros pecados: o Orgulho (as três mulheres atadas pelos pés sobre um fogareiro de barro de onde saem chamas que lhes consomem o cabelo), a Avareza (no homem que é obrigado a engolir moedas), a Gula (no pecador a quem um demónio obriga a beber vinho contido num odre em forma de porco), a Ira (o homem de cabeça rapada que está a ser pingado), a Luxúria (no grupo onde, lado a lado, se representa o adultério e a homossexualidade, esta última visualmente traduzida pelo frade e o jovem acorrentados).
Incorporação:
Transferência - Conventos Extintos
Origem / Historial:
Esta pintura, cuja afinidade com a obra de Gil Vicente tem sido assinalada por vários historiadores, foi já atribuída a Jorge Afonso e/ou ao Mestre da Lourinhã. Se há estudiosos que apontam o início do século como a data mais provável para a sua realização (cf. Dagoberto Markl in catálogo da exposição Grão Vasco e a Pintura do Renascimeno), outros defendem os anos trinta de Quinhentos. * Forma de Protecção: classificação; Nível de classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei n.º 107/2001, de 8 Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; N.º 19/2006; 18/07/2006 *
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica