MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contacts  separator  Help  separator  Links  separator  Site Map
 
Monday, October 25, 2021    INTRODUCTION    ORIENTED RESEARCH    ADVANCED RESEARCH    ONLINE EXHIBITIONS    INVENTORY GUIDELINES 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
OBJECT DETAILS
Museum:
Museu Nacional de Arte Antiga
Inventory number:
762 Esc
Supercategory:
Arte
Category:
Escultura
Name:
Danaide
Title:
Danaide
Authors:
Auguste Rodin
Pierre
Production Place:
França
Workshop:
Oficina de Auguste Rodin
Date / Period:
1893 A.D - Contemporânea
Material:
Pedra (calcário de Tonnerre)
Technique:
Escultura de vulto pleno.
Measurments (cm):
height: 29;
Description:
Mármore esculpido em vulto perfeito representando Danaide deitada sobre uma base não esculpida mas apenas esboçada. Deitada sobre o corpo flectido, Danaide, desnuda, repousa a cabeça sobre a mão esquerda. A cabeleira, trabalhada em madeixas na nuca, perde-se sobre a base esquematizada, base essa sobre a qual repousa a figura. O tratamento anatómico minucioso revela um gracioso corpo feminino, jovem e desnudo. Estática. Esculpida a três quartos.
Incorporation:
Doação - Oferta do Sr. Calouste Sarkis Gulbenkian em Novembro de 1951.
Origin / History:
Calouste Sarkis Gulbenkian. Uma doação ao Museu Nacional de Arte Antiga. No 25º aniversário do Museu Calouste Gulbenkian, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1994, cat. 16, pp. 46-47: "Rodin buscou inspiração na mitologia grega para criar esta imagem de profundo desespero e eterna frustração, também pretexto para a representação do nu feminino. As cinquenta Danaides, filhas do Rei Dánao, que por ordem de seu pai assassinaram os maridos (filhos de Egipto) na noite de núpcias, espiaram o crime no Inferno, eternamente condenadas a encher de água um recipiente sem fundo. Rodin ilustrou a lenda, representando Danaide nua, exausta, de costas sobre um rochedo em atitude de abandono, com a água a escorrer-lhe do cântaro, totalmente entregue ao desespero. Como a água que se espalha sobre a rocha, também a cabeleira de Danaide obedece ao mesmo movimento ondulante. O tema foi criado em 1885 para as Portas do Inferno, projecto monumental que ocupou Rodin durante muitos anos, mas não chegou a ser utilizado na versão definitiva. A Danaide teve grande êxito junto do público, comprovado pela existência de dez exemplares em mármore, material que melhor consubstancia a volúpia do corpo feminino. A excepcional expressividade da anatomia de formas macias, que se afasta dos habituais cânones académicos, contrasta com a superfície rugosa da rocha. A versão adquirida por Calouste Gulbenkian, doada ao MNAA, tinha sido uma encomenda do marchand Allard. Foi executada em pedra de Tonerre, uma pedra calcária tal como o mármore, mas de menor dureza. Como de costume, Rodin socorreu-se de um ajudante, neste caso de nome Peter. O recibo por este assinado, no montante de seiscentos francos, tem a data de 8 de Outubro de 1893. Calouste Gulbenkian conservou nas suas colecções seis obras de Rodin, dois mármores (As Bençãos e Busto de Victor Hugo), e quatro bronzes (A Primavera, Jean d'Aire, Burguês de Calais, Irmão e Irmã e Cabeça de Legros)."
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Terms & Conditions  separator  Credits