MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quarta-feira, 20 de outubro de 2021    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arte Antiga
N.º de Inventário:
762 Esc
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Escultura
Denominação:
Danaide
Título:
Danaide
Autores:
Auguste Rodin
Pierre
Local de Execução:
França
Oficina / Fabricante:
Oficina de Auguste Rodin
Datação:
1893 d.C. - Contemporânea
Matéria:
Pedra (calcário de Tonnerre)
Técnica:
Escultura de vulto pleno.
Dimensões (cm):
altura: 29;
Descrição:
Mármore esculpido em vulto perfeito representando Danaide deitada sobre uma base não esculpida mas apenas esboçada. Deitada sobre o corpo flectido, Danaide, desnuda, repousa a cabeça sobre a mão esquerda. A cabeleira, trabalhada em madeixas na nuca, perde-se sobre a base esquematizada, base essa sobre a qual repousa a figura. O tratamento anatómico minucioso revela um gracioso corpo feminino, jovem e desnudo. Estática. Esculpida a três quartos.
Incorporação:
Doação - Oferta do Sr. Calouste Sarkis Gulbenkian em Novembro de 1951.
Origem / Historial:
Calouste Sarkis Gulbenkian. Uma doação ao Museu Nacional de Arte Antiga. No 25º aniversário do Museu Calouste Gulbenkian, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1994, cat. 16, pp. 46-47: "Rodin buscou inspiração na mitologia grega para criar esta imagem de profundo desespero e eterna frustração, também pretexto para a representação do nu feminino. As cinquenta Danaides, filhas do Rei Dánao, que por ordem de seu pai assassinaram os maridos (filhos de Egipto) na noite de núpcias, espiaram o crime no Inferno, eternamente condenadas a encher de água um recipiente sem fundo. Rodin ilustrou a lenda, representando Danaide nua, exausta, de costas sobre um rochedo em atitude de abandono, com a água a escorrer-lhe do cântaro, totalmente entregue ao desespero. Como a água que se espalha sobre a rocha, também a cabeleira de Danaide obedece ao mesmo movimento ondulante. O tema foi criado em 1885 para as Portas do Inferno, projecto monumental que ocupou Rodin durante muitos anos, mas não chegou a ser utilizado na versão definitiva. A Danaide teve grande êxito junto do público, comprovado pela existência de dez exemplares em mármore, material que melhor consubstancia a volúpia do corpo feminino. A excepcional expressividade da anatomia de formas macias, que se afasta dos habituais cânones académicos, contrasta com a superfície rugosa da rocha. A versão adquirida por Calouste Gulbenkian, doada ao MNAA, tinha sido uma encomenda do marchand Allard. Foi executada em pedra de Tonerre, uma pedra calcária tal como o mármore, mas de menor dureza. Como de costume, Rodin socorreu-se de um ajudante, neste caso de nome Peter. O recibo por este assinado, no montante de seiscentos francos, tem a data de 8 de Outubro de 1893. Calouste Gulbenkian conservou nas suas colecções seis obras de Rodin, dois mármores (As Bençãos e Busto de Victor Hugo), e quatro bronzes (A Primavera, Jean d'Aire, Burguês de Calais, Irmão e Irmã e Cabeça de Legros)."

Tipo

Descrição

Imagem

imagem

Imagem

Número de inventário: 762 esc Autor: Maria João Vilhena Localização: mnaa

imagem

imagem

Imagem

Número de inventário: 762.01 esc Autor: Maria João Vilhena Localização: mnaa

imagem

imagem

Imagem

Número de inventário: Negativo 8542 , 13x18 Autor: Mário Novaes, 1952 Localização: MNAA

imagem
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica