MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sábado, 18 de novembro de 2017    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional de Arte Antiga
N.º de Inventário:
540 Our
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Ourivesaria
Denominação:
Cruz Processional
Autor:
Desconhecido
Local de Execução:
Portugal
Centro de Fabrico:
Portugal
Oficina / Fabricante:
Não determinado
Entidade Emissora:
D. Sancho I (?)
Grupo Cultural:
Não determinado
Datação:
1214 d.C.
Matéria:
Ouro, safiras, granadas, pérolas e aljôfares
Técnica:
Ouro fundido, cinzelado, inciso e filigranado; gemas polidas e gravadas; pérolas e aljôfares perfurados
Dimensões (cm):
altura: 65 cm; largura: 34,5 cm; diâmetro: máximo do nó 7,5 cm ;
Descrição:
Cruz processional em ouro, de braços rectos, lóbulos laterais e extremidades flordelisadas, debruada em todo o seu perímetro por um friso perlado. Motivos vegetalistas incisos, palmas em filigrana nas extremidades e a utilização de cabochões reaproveitados de jóias anteriores (alguns tardo-romanos) e pérolas barrocas, constituem o essencial da decoração. Estes cabochões envoltos por uma moldura de filigrana, aplicados sobre a decoração vegetalista incisa, divergem na forma: os de forma quadrilobada com pequenas safiras, os de forma losangular com aljôfares e os quadrangulares com safiras e aljôfares. Alternam com pares de pérolas em engastes de gola também circundados por filigrana. Alguns são gravados no reverso, com símbolos não identificados ou representações de animais. O rectângulo da intercessão dos braços, com quatro cabochões nos cantos, alberga ao centro os suportes de um relicário que conteve o Santo Lenho que, segundo a tradição, pertencera ao Conde D. Henrique e que, depois de uma atribulada história no século XVII se veio a perder. No verso, o centro, decorado por motivos incisos, é ocupado pelo Cordeiro Místico e cada extremo das hastes pela representação simbólica dos Envangelistas. Correndo toda a haste inferior da cruz, desenvolve-se em caracteres góticos unciais a inscrição. Na base, surge um anjo suportando uma filactera na qual se inscreve a datação da peça. Nó em forma de calote esférica achatada, encontrando-se dividida longitudinalmente por um cordão, sendo toda a sua face preenchida por decoração filigranada em forma de palmetas. Posteriormente, foram aplicados para fixação da cruz elementos em prata dourada: uma braçadeira, duas grande palmetas e quatro espigões, cobrindo parcialmente um deles a datação inscrita na filactera.
Incorporação:
Transferência - Mosteiro de Santa Cruz, Coimbra
Origem / Historial:
Ostentando a data de 1214 numa tarjeta, incisa no ouro, que percorre a parte inferior do seu reverso, a chamada Cruz de D. Sancho I foi mandada executar por este rei no segundo testamento que lavrou, para que se entregasse ao mosteiro de Santa Cruz em Coimbra. (...) A prodigalidade que o monarca revelou no fim da sua vida, fazendo opulentas dádivas ao clero, em sinal de apazigumento após os acesos conflitos que mantivera com a Santa Sé, prende-se igualmente com a preocupação de garantir a salvação da sua alma. A entrada desta alfaia no Mosteiro de Santa Cruz veio enriquecer o vultuoso tesouro de relíquias e preciosidades do opulento mosteiro e preencher uma lacuna do culto que aí devia ser prestado ao Santo Lenho. D. Afonso Henriques, ao fundar a instituição com D. Telo, dedica o culto dos Cénegos Regantes à invocação da Cruz de Cristo e deixa ao Mosteiro uma relíquia da Santa Cruz. De acordo com a tradição, tinha-a tomado em 1128 ao seu primo Afonso VII de Castela, na batalha da Veiga de Valdevez, depositando-a posteriormente na Igreja de Grade, guardando para si um fragmento que dividiu em duas partes. Um dos fragmentos foi incrustado numa pequena cruz peitoral em ouro, pertença do monarca e que depois veio a integrar a Cruz em ouro que D. Sancho irá doar testamentalmente a Santa Cruz de Coimbra, e o outro fragmento foi oferecido a São Teotónio, co-fundador do mosteiro e primeiro santo português. Santa Cruz passa assim, a funcionar como repositório dos despojos mortais dos primeiros reis de Portugal e ainda como tesouro dos objectos-simbolo do reino: como a espada do rei fundador aí se passa a guardar também a relíquia do Santo Lenho. Neste contexto, a Cruz de D. Sancho proporciona o enquadramento condigno à relíquia que o monarca herdara de seu pai e dignifica o orago de uma instituição tão intimamente ligada à monarquia portuguesa. (...) Franco, Anísio, "A Cruz de D. Sancho I, História, função e forma" in Inventário do Museu Nacional de Arte Antiga, Colecção de Ourivesaria, 1º volume: do Românico ao Manuelino, IPM, 1995, pp. 50 - 55. * Forma de Protecção: classificação; Nível de classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei n.º 107/2001, de 8 Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; N.º 19/2006; 18/07/2006 *
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica