MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
segunda-feira, 25 de outubro de 2021    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional do Azulejo
N.º de Inventário:
MNAz 152 Esc
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Escultura
Denominação:
Peça do Presépio da Madre de Deus
Título:
Anjo arauto
Autor:
Ferreira, António e Dionísio (atribuído)
Local de Execução:
Lisboa
Centro de Fabrico:
Lisboa, Portugal
Datação:
1700 d.C. - 1730 d.C.
Matéria:
Barro
Suporte:
Barro cozido (terracota)
Técnica:
Modelação Policromia a frio: pintura a têmpera ou técnica mista (óleo e ovo)
Dimensões (cm):
altura: 67 cm; largura: 62 cm; profundidade: 22 cm;
Descrição:
Escultura: escultura de vulto. Figura de presépio. Anjo suspenso à direita do arcanjo Gabriel, com o braço direito erguido perpendicularmente ao corpo e o esquerdo junto ao peito, a perna direita avançada e a cabeça ligeiramente inclinada para a esquerda. Traja uma túnica cintada em tons salmão, com várias saias de cores diferentes por baixo, os tecidos são decorados com flores douradas. Um lenço vermelho com flores douradas pende do braço direito levantado, esvoançando depois pelas costas desta figura. Todos os tecidos, tal como no caso dos restantes anjos suspensos, esvoaçam no ar acompanhando a suspensão do anjo no céu. Notas iconográficas: Pertence à composição de anjos arautos que rodeia a figura do arcanjo Gabriel. Tem como função apresentar o arcanjo aos espectadores, acentuando a dignidade dessa personagem.
Incorporação:
Transferência - Por despacho de 31/07/2009, do Director do Instituto dos Museus e da Conservação, foi autorizada a transferência a título definitivo do MNAA para o MNAz. Encontrava-se em depósito no MNAz desde 1985.
Origem / Historial:
Forma de Protecção: classificação; Nível de Classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devem recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei nº 107/2001, de 8 de Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei nº 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; Nº 19/2006;18/07/2006 O presépio (no qual se integra esta peça) provém do antigo Convento da Madre de Deus (hoje MNA). Foi colocado originalmente num espaço próprio conhecido por Sala do Presépio, contíguo à Capela de Santo António, no segundo piso do edifício do convento ou casa do antecoro. Entre as possíveis circunstâncias em que se situou a encomenda do presépio poderá ter estado um programa de glorificação da Virgem, no qual se enquadra a recepção de dádivas vindas de Roma, em 1731, sob a forma de relíquias várias relacionadas com A Virgem, incluindo, por exemplo, uma tábua do presépio ou berço. Entre os encomendantes prováveis são apontados D. João V e o padre José Pacheco, ou ainda D. Pedro II ou D. Catarina de Bragança. A sua função inicial relacionava-se com a celebração da Natividade realizada em ambiente de clausura. A função actual de objecto museológico decorreu da sua incorporação pelo Estado após o decreto de extinção das ordens religiosas que se prolongou neste caso, por se tratar de um convento feminino, até à morte da última freira, ocorrida em 1871. Não se sabe exactamente quando terá sido desmontado, mas sabe-se que quando foi incorporado no acervo do MNAA (ou Museu Nacional de Belas Artes e Arqueologia até 1884) já estaria desmontado. A primeira exposição museológica de algumas das suas peças isoladas do conjunto ocorreu em 1882 na Exposição de Arte Ornamental Portuguesa e Hespanhola (não foi o caso desta peça). Existiu um projecto de montagem do presépio na sua casa original nos anos 80 (onde entretanto se instalou o MNA) , motivando o regresso do conjunto escultórico ao MNA, em regime de depósito, mas este projecto não teve continuidade por falta de bases para uma correcta montagem das peças dispersas. Prevê-se uma remontagem do presépio em 2004 no local original da Sala do Presépio pela arquitecta Andreia Galvão.

Bibliografia

ANDRADE, Sérgio de - "Presépios" in: Dicionário de Arte Barroca em Portugal. Lisboa: Editorial Presença, 1989, pág. -

Aspectos do Natal na Arte Portuguesa, catálogo de exposição. Lisboa: Museu Nacional de Arte Antiga, 1947/1948, pág. -

BARREIRA, João - Os presépios de barro in: Serões - Revista mensal illustrada, 2ª série, vol. I, nº 6. Lisboa: 1905, pág. -

BELÈM, Fr. Jerónimo de - Crónica Seráfica de Santa Província dos Algarves da Regular Observancia de Nosso Serafico Padre S. Francisco, Parte Terceira, Em que se Trata da Origem, Fundaçam, e Progressos do Real Mosteiro da Madre de Deos de Xabregas. Lisboa: No Mosteiro de S. Vicente de Fora, 1756, pág. -

BERLINER, Rudolph - Denkmaler der Krippenkunst. Augsburg: s.n., 1926, pág. -

CASTRO, Machado de - Diccionario Arrazoado, ou filosófico d'alguns termos technicos, pertencentes á Bella Arte da Escultura, e seus utensilios. Lisboa: depositário Livraria Coelho, 1937, pág. -

Catálogo Illustrado da Exposição Retrospectiva de Arte Ornamental Portuguesa e Hespanhola. Lisboa: Imprensa Nacional, 1882, pág. -

CONCEIÇÃO, Frei Cláudio da - Gabinete Histórico, vol. IX. Lisboa: Imprensa Régia, 1823, pág. -

COSTA, Luís Xavier - Duas Palestras sobre artes portuguesas no século XVIII: "Algumas palavras sobre o escultor Machado de Castro e os seus cooperantes" e "Barristas portugueses anteriores ao século XIX". Lisboa: Oficina Gráfica Limitada, 1939, pág. -

Documentação do Convento da Madre de Deus, documentos avulsos, Biblioteca do Museu Nacional de Arte Antiga, pág. -

MACEDO, Diogo de - A escultura Portuguesa nos séculos XVII e XVIII in Separata da Revista Ocidente. Lisboa: s.n., 1945, pág. -

MACEDO, Diogo de - Em redor dos Presépios portugueses. Lisboa: Sociedade Industrial de Tipografia, 1940, pág. -

MACEDO, Diogo de - Presépios Portugueses. S.l.: Artis, s.d., pág. -

MACHADO, Cyrillo Volkmar - Colecção de memórias relativas às vidas dos pintores e escultores, Architectos, e gravadores portuguezes, E dos estrangeiros, que estiverão em Portugal, recolhidas e ordenadas. Lisboa: Imprensa de Victorino Rodrigues da Silva, 1823, pág. -

Memórias do que ouve na Madre de Deus, iniciado em 1639, Biblioteca Nacional de Lisboa, F. 2368, pág. -

PAIS, Alexandre Nobre - O Presépio da Madre de Deus. Lisboa: IPM, 2003, pág. -

PAIS, Alexandre Nobre - Presépios Portugueses Monumentais do século XVIII em Terracota, Dissertação de Mestrado em História de Arte Moderna apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Lisboa: texto policopiado, 1998, pág. -

PAIS, Alexandre Nobre - Presépios portugueses no século XVIII in: Portugal Brasil/ Brasil Portugal: Duas faces de uma realidade artística, Comissão Nacional para a Comemoração dos Descobrimentos Portugueses. Lisboa: s.n., 2000, pág. -

Papéis Antigos provenientes de Igrejas e Mosteiros (Madre de Deus, etc), Museu Nacional de Arte Antiga, Arquivo de Directores, Caixa 15, pasta 1, pág. -

RIBEIRO, Maria de Lourdes de Sousa Alvares - A música nos presépios setecentistas. Porto: [s.n.], 1996, pág. -

ROBECK, Nesta de - The Christmas crib. London: Burn Oates & Washbourne, 1938, pág. -

SOLEDADE, Frei Fernando da - Historia Serafica Chronologica da Ordem de S. Francisco na Provincia de Portugal, Tomo IV, Refere os seus Progressos em Tempos de Sessenta & oyto annos: do de mil & quinhentos & hum até o de mil & quinhentos & sessenta & oyto. Lisboa: Officina de Manoel & Joseph Lopes Ferreyra, 1709, pág. -

TELLES, Liberato - O Mosteiro e a Igreja da Madre de Deus. Lisboa: Imprensa moderna, 1899, pág. -

 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica