MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
terça-feira, 21 de setembro de 2021    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Nacional do Azulejo
N.º de Inventário:
MNAz 729 Az
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Cerâmica
Denominação:
Painel de azulejos
Autor:
Desconhecido
Local de Execução:
Portugal
Centro de Fabrico:
Lisboa, Portugal
Datação:
1680 d.C.
Matéria:
Barro; óxidos metálicos
Técnica:
Faiança
Dimensões (cm):
altura: 165 cm; largura: 157,5 cm;
Descrição:
Painel de azulejos em faiança polícroma: verdes, ocres e manganês sobre branco. Representação de cena de caça com um cão atacando um javali. A composição está contida em reserva de ornatos simétricos que se desenvolvem a partir da base em enrolamentos de acanto, de onde saem troncos dos quais se erguem volutas de acanto que afrontam em concha. Barra de acanto curvo e contracurvado, pontuado com flores e resolvido nos cantos com mascarões.
Incorporação:
Outro - Desconhecido (Fundo antigo).
Origem / Historial:
Forma de Protecção: classificação; Nível de Classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devem recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei nº 107/2001, de 8 de Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei nº 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; Nº 19/2006;18/07/2006 "Tal não obstou a que surgissem também importantes encomendas profanas para decoração de espaços palacianos, construídos ou redecorados a partir de 1640. É o caso do Palácio dos Condes da Calheta e do Palácio da Praia, ambos em Belém, este último desaparecido. Dele veio o conjunto de seis painéis (Cat. 111) que hoje integram a chamada Sala da Caça, espaço do Museu Nacional do Azulejo que pretende recriar um ambiente seiscentista. Em todos eles se exibem cenas de caça entre animais, motivo central envolvido por vigorosos enrolamentos e volutas de acanto, pintado a amarelo e a verde-cobre, cor que as olarias de Lisboa utilizaram para renovar a sua produção nos derradeiros anos da policromia." João Pedro Monteiro in "Um Gosto português. O Uso do Azulejo no séc. XVII", pp. 211.
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica