MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sábado, 15 de dezembro de 2018    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Grão Vasco
N.º de Inventário:
2153
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Ressurreição/Políptico da Capela-mor da Sé de Viseu
Autores:
Vasco Fernandes (c.1475-1542)
Henriques, Francisco (act.1508-1518)
Local de Execução:
Viseu
Datação:
1501 d.C. - 1506 d.C.
Suporte:
Madeira de Carvalho
Técnica:
Pintura a óleo
Dimensões (cm):
altura: 132; largura: 82;
Descrição:
Painel do antigo retábulo da capela-mor da Sé de Viseu (1501-1506). Jesus Cristo triunfante é representado sob o túmulo escavado na rocha. O alheamento de dois soldados, ainda adormecidos, contrasta com a atitude de surpresa do que figura à esquerda. Na paisagem do fundo, em ligação com a cena do primeiro plano, assinala-se a luz simbólica da alvorada. Na organização das figuras, e no recurso aos acidentes do terreno para definir os planos, este painel não difere dos restantes da mesma série. Os volumes rochosos entumescidos, trabalhados picturalmente numa gama diversificada de tonalidades de castanho, facilitam a sugestão de aprofundamento do espaço. As sensíveis dificuldades na concepção da figura de Cristo, parcialmente ocultas através do manto, deverão ser relativizadas à luz da posição do painel na estrutura do retábulo. Justamente, porque se colocava na terceira fiada superior, o pintor procura, através do alteamento da parte superior do corpo, atenuar as deformações resultantes do ângulo de visão do espectador Por outro lado, o tema em questão reclama a sugestão do movimento ascendente da figura, motivo pelo qual o pintor investe na teatralidade dos gestos e eleva a ponta do manto. A forma turbulenta das pregas, além de uma certa constância do tipo de rostos, é um dos aspectos que contribui para uniformizar os diferentes painéis desta obra de factura colectiva. Os repintes que assumem visibilidade na parte superior do retábulo devem-se à tentativa, já em data posterior à do apeamento do retábulo (séc. XVII), de ocultar o suporte que ficaria originalmente oculto pela estrutura retabular.
Incorporação:
Transferência - Da Sé de Viseu
Origem / Historial:
Forma de Protecção: classificação; Nível de Classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; N.º 19/2006; 18/07/2006
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica