MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 20 de janeiro de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Grão Vasco
N.º de Inventário:
2149
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Última Ceia/Políptico da Capela-mor da Sé de Viseu
Autores:
Vasco Fernandes (c.1475-1542)
Henriques, Francisco (act.1508-1518)
Local de Execução:
Viseu
Datação:
1501 d.C. - 1506 d.C.
Suporte:
Madeira de Carvalho
Técnica:
Pintura a óleo
Dimensões (cm):
altura: 131; largura: 81; espessura: 2,5;
Descrição:
Painel do antigo retábulo da capela-mor da Sé de Viseu (1501-1506). Com a última refeição que Jesus Cristo tomou com os apóstolos em Jerusalém iniciava o retábulo em questão o ciclo eucarístico. Pelo seu alto significado litúrgico e místico, a Última Ceia é um dos temas mais importantes da iconografia cristã e uma presença constante nos diversos suportes figurativos utilizados pela Igreja. Com a sua representação não está apenas em causa o momento trágico do anúncio da Paixão, a despedida de Cristo e a sequente traição de Judas, mas também a comemoração da Páscoa Judia e a instituição da comunhão eucarística. As liberdades interpretativas dos artistas, com o consentimento tácito das autoridades eclesiásticas, estão na origem da introdução de algumas variantes iconográficas. No painel em questão, Cristo e os Apóstolos reúnem-se em redor de uma mesa circular na qual figura, além dos elementos eucarísticos habituais, o pão e o vinho, um prato com uma ave, ao invés do cordeiro da tradição judia que se representa também com alguma frequência. Os problemas com a estrutura anatómica das figuras, parcialmente encobertos ou disfarçados com os panejamentos de formas angulosas, a pobreza do fundo que enquadra a cena - um simples pano preto ladeado por duas janelas, uma das quais sem portada - deixam perceber diferenças significativas entre os painéis da série da Vida da Virgem e da Infância de Jesus e os do ciclo da Paixão de Cristo. Uma vez mais, é o acutilante realismo à maneira nórdica que se identifica no reflexo da luz que incide no cálice ou na projecção da sombra do copo de vinho sobre a toalha branca. Entre outros aspectos, as semelhanças entre este painel e o que representa o mesmo tema do retábulo da Igreja de S. Francisco de Évora, atribuído ao pintor flamengo Francisco Henriques, fundamentam a hipótese da participação deste pintor, e da equipa que o acompanhou na vinda de Flandres para Portugal, no retábulo destinado à capela-mor da Sé de Viseu.
Incorporação:
Transferência - Transferência da Sala do Capítulo da Sé de Viseu, ao abrigo do Decreto 2: 284-C de 16 de Março de 1916, que cria o Museu de Grão Vasco.
Origem / Historial:
Forma de Protecção: classificação; Nível de Classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; N.º 19/2006; 18/07/2006
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica