MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
domingo, 27 de novembro de 2022    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Grão Vasco
N.º de Inventário:
2143
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Políptico da Capela-Mor da Sé de Viseu
Título:
Visitação
Autores:
Fernandes, Vasco
Henriques, Francisco (act.1508-1518)
Local de Execução:
Viseu
Datação:
1501 d.C. - 1506 d.C.
Suporte:
Madeira de carvalho
Técnica:
Pintura a óleo
Dimensões (cm):
altura: 131,5; largura: 81,2; espessura: 2,5;
Descrição:
Painel do antigo retábulo da capela-mor da Sé de Viseu (1501-1506). A Virgem e Santa Isabel, inscritas num terraço vegetalista tratado com rigores de ilustração botânica, ocupam o primeiro plano. Um largo fundo paisagístico, que prolonga até ao infinito o horizonte visual, enquadra a cena do abraço entre as duas primas no passo da Visitação. À esquerda, representa-se pormenorizadamente uma cidade habitada, onde pontuam diversos tipos humanos, incluindo um mendigo, embrenhados nos mais diversos afazeres quotidianos. A arquitectura, de evidente inspiração nórdica, é representada com uma tal minúcia, que permite identificar na fachada de um dos edifícios um relógio mecânico. Os acidentes da paisagem, designadamente os volumes rochosos e a alternância de tonalidades claras e escuras, permitem articular planos e sugerir a profundidade sistemática do espaço. E se os erros anatómicos são identificáveis na estrutura das duas figuras em primeiro plano, ou na modelação concreta das carnações, embora acentuados por alterações posteriores, a qualidade plástica do fundo, numa gama muito diversificada de tonalidades de azul, é notável. Com efeito, no limite do horizonte, as formas de montes e tufos vegetalistas diluem-se em efeitos atmosféricos magistralmente sugeridos. A necessidade de destacar os painéis pintados de profusas estruturas entalhadas e douradas e da deficiente iluminação dos locais a que se destinavam, é um dado a ter em conta para entender a importância deste tipo de efeitos luminosos, bem como o recurso a uma paleta de cores vivas e contrastantes.
Incorporação:
Transferência - Transferência da Sala do Capítulo da Sé de Viseu, ao abrigo do Decreto 2: 284-C de 16 de Março de 1916, que cria o Museu de Grão Vasco.
Origem / Historial:
Forma de Protecção: classificação; Nível de Classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; N.º 19/2006; 18/07/2006
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica