MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quarta-feira, 26 de junho de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu Grão Vasco
N.º de Inventário:
2143
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
Visitação/Políptico da Capela-Mor da Sé de Viseu
Autores:
Vasco Fernandes (c.1475-1542)
Henriques, Francisco (act.1508-1518)
Local de Execução:
Viseu
Datação:
1501 d.C. - 1506 d.C.
Suporte:
Madeira de carvalho
Técnica:
Pintura a óleo
Dimensões (cm):
altura: 131,5; largura: 81,2; espessura: 2,5;
Descrição:
Painel do antigo retábulo da capela-mor da Sé de Viseu (1501-1506). A Virgem e Santa Isabel, inscritas num terraço vegetalista tratado com rigores de ilustração botânica, ocupam o primeiro plano. Um largo fundo paisagístico, que prolonga até ao infinito o horizonte visual, enquadra a cena do abraço entre as duas primas no passo da Visitação. À esquerda, representa-se pormenorizadamente uma cidade habitada, onde pontuam diversos tipos humanos, incluindo um mendigo, embrenhados nos mais diversos afazeres quotidianos. A arquitectura, de evidente inspiração nórdica, é representada com uma tal minúcia, que permite identificar na fachada de um dos edifícios um relógio mecânico. Os acidentes da paisagem, designadamente os volumes rochosos e a alternância de tonalidades claras e escuras, permitem articular planos e sugerir a profundidade sistemática do espaço. E se os erros anatómicos são identificáveis na estrutura das duas figuras em primeiro plano, ou na modelação concreta das carnações, embora acentuados por alterações posteriores, a qualidade plástica do fundo, numa gama muito diversificada de tonalidades de azul, é notável. Com efeito, no limite do horizonte, as formas de montes e tufos vegetalistas diluem-se em efeitos atmosféricos magistralmente sugeridos. A necessidade de destacar os painéis pintados de profusas estruturas entalhadas e douradas e da deficiente iluminação dos locais a que se destinavam, é um dado a ter em conta para entender a importância deste tipo de efeitos luminosos, bem como o recurso a uma paleta de cores vivas e contrastantes.
Incorporação:
Transferência - Transferência da Sala do Capítulo da Sé de Viseu, ao abrigo do Decreto 2: 284-C de 16 de Março de 1916, que cria o Museu de Grão Vasco.
Origem / Historial:
Forma de Protecção: classificação; Nível de Classificação: interesse nacional; Motivo: Necessidade de acautelamento de especiais medidas sobre o património cultural móvel de particular relevância para a Nação, designadamente os bens ou conjuntos de bens sobre os quais devam recair severas restrições de circulação no território nacional e internacional, nos termos da lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro e da respectiva legislação de desenvolvimento, devido ao facto da sua exemplaridade única, raridade, valor testemunhal de cultura ou civilização, relevância patrimonial e qualidade artística no contexto de uma época e estado de conservação que torne imprescindível a sua permanência em condições ambientais e de segurança específicas e adequadas; Legislação aplicável: Lei n.º 107/2001, de 8 de Setembro; Acto Legislativo: Decreto; N.º 19/2006; 18/07/2006
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica