MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
sábado, 15 de dezembro de 2018    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea
N.º de Inventário:
112
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
D. João de Portugal
Local de Execução:
Roma; canto inferior direito
Datação:
1863 d.C.
Matéria:
Óleo
Suporte:
Tela
Técnica:
Pintura a óleo
Dimensões (cm):
altura: 218; 245; largura: 178; 203;
Descrição:
Pintura de História. No claro-escuro de um salão solarengo, o Romeiro de Garret, com grandes barbas, de capa com uma cruz ao peito, e segurando um chapéu, faz um gesto largo com o braço direito e aponta na parede o retrato de D. João de Portugal (o seu próprio retrato) a sua mulher D. Madalena de Vilhena, que, sentada à direita, e trajando à maneira seiscentista, põe a mão no queixo e olha intrigada para essa personagem solene, no centro da composição. À esquerda, de costas, Frei Jorge olha atónito para o retrato escurecido na parede. Inspirado na cena XIV do 2º acto do "Frei Luís de Sousa", de Almeida Garret, esta ambiciosa composição de história, em tamanho natural, revela debilidades a nível de composição, mascaradas por um tenebrismo fácil e pela luz artificial, mas é significativa na medida em que, além de ser exemplo único de uma "grande manière" que urgia importar, permite verificar que o incipiente dramatismo deve muito à expressão das cabeças do Romeiro e de sua mulher, o que apontaria o caminho futuro (retratista) de Miguel Lupi.
Incorporação:
Transferência - Museu Nacional de Arte Antiga
Origem / Historial:
Prova de pensionista do Estado apresentada à Academia de Belas-Artes de Lisboa como candidato a Académico de Mérito, em 1863. Segundo indicação do catálogo de exposição de Miguel Ângelo Lupi, de 1883, "parece que para esta (cabeça de D. João de Portugal) e outras cabeças serviu de modelo o conde de Cabral, miguelista expatriado". Integrado no MNAC em 1912. Informação sobre intervenções de conservação e restauro: - A obra foi intervencionada em 2002 pela Empresa Edmundo Silva - Peritagem e Restauro de Pintura (Ver Doc. associada).
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica