MatrizNet

 
Logo MatrizNet Contactos  separador  Ajuda  separador  Links  separador  Mapa do Site
 
quinta-feira, 23 de maio de 2019    APRESENTAÇÃO    PESQUISA ORIENTADA    PESQUISA AVANÇADA    EXPOSIÇÕES ONLINE    NORMAS DE INVENTÁRIO 

Animação Imagens

Get Adobe Flash player

 


 
     
     
 
FICHA DE INVENTÁRIO
Museu:
Museu do Chiado – Museu Nacional de Arte Contemporânea
N.º de Inventário:
112
Supercategoria:
Arte
Categoria:
Pintura
Denominação:
D. João de Portugal
Local de Execução:
Roma; canto inferior direito
Datação:
1863 d.C.
Matéria:
Óleo
Suporte:
Tela
Técnica:
Pintura a óleo
Dimensões (cm):
altura: 218; 245; largura: 178; 203;
Descrição:
Pintura de História. No claro-escuro de um salão solarengo, o Romeiro de Garret, com grandes barbas, de capa com uma cruz ao peito, e segurando um chapéu, faz um gesto largo com o braço direito e aponta na parede o retrato de D. João de Portugal (o seu próprio retrato) a sua mulher D. Madalena de Vilhena, que, sentada à direita, e trajando à maneira seiscentista, põe a mão no queixo e olha intrigada para essa personagem solene, no centro da composição. À esquerda, de costas, Frei Jorge olha atónito para o retrato escurecido na parede. Inspirado na cena XIV do 2º acto do "Frei Luís de Sousa", de Almeida Garret, esta ambiciosa composição de história, em tamanho natural, revela debilidades a nível de composição, mascaradas por um tenebrismo fácil e pela luz artificial, mas é significativa na medida em que, além de ser exemplo único de uma "grande manière" que urgia importar, permite verificar que o incipiente dramatismo deve muito à expressão das cabeças do Romeiro e de sua mulher, o que apontaria o caminho futuro (retratista) de Miguel Lupi.
Incorporação:
Transferência - Museu Nacional de Arte Antiga
Origem / Historial:
Prova de pensionista do Estado apresentada à Academia de Belas-Artes de Lisboa como candidato a Académico de Mérito, em 1863. Segundo indicação do catálogo de exposição de Miguel Ângelo Lupi, de 1883, "parece que para esta (cabeça de D. João de Portugal) e outras cabeças serviu de modelo o conde de Cabral, miguelista expatriado". Integrado no MNAC em 1912. Informação sobre intervenções de conservação e restauro: - A obra foi intervencionada em 2002 pela Empresa Edmundo Silva - Peritagem e Restauro de Pintura (Ver Doc. associada).
 
     
     
   
     
     
     
 
Secretário Geral da Cultura Direção-Geral do Património Cultural Termos e Condições  separador  Ficha Técnica